Sunday, September 26, 2004

Domingo, 26 de setembro, 2004


MiBlogs são os blogs feitos por soldados no Iraque. A diversidade é grande, e a quantidade aumenta a cada dia, apesar do Pentagono não gostar muito dessa novidade. De link em link, esses foram os que eu achei mais interessantes:

My War
Blog de um soldado de infantaria do exército, da brigada Stryker. Basicamente contra a guerra. Parece que o comandante dele não gostou muito da idéia e segundo essa notícia da AP, ele foi suspenso por 5 dias.

Candle in the dark
Blog de um cubano morador da Flórida, atualmente trabalhando como médico de um batalhão de infantaria em Mosul. Se descreve como "Conservador e agnóstico", e escreve sobre vários assuntos. Dei risada com o texto sobre o Che.

A line in the sand
Blog de um sargento do exército. Apesar dele ser exageradamente pró-Bush (ele trabalhou para a campanha Bush em 2000), achei os posts interessantes.
Ele também tem fotos.

Dagger Jag
Meu favorito. Blog de um advogado atualmente na 1.a Divisão da infantaria, segunda brigada (Dagger). Ele ajuda nas iniciativas do novo sistema legal iraquiano, além do trabalho regular de soldado. Também tem algumas fotos interessantes.

Enfim, esses blogs de soldados, assim como os blogs de iraquianos, são uma fonte bem interessante. A reclamação mais comum é a total falta de cobertura da imprensa "normal" dos acontecimentos positivos no Iraque. Afinal, inaugurar uma escola ou reabrir um hospital não é tão "popular" como um carro bomba matando 10 pessoas e abrindo uma cratera enorme na rua.

É difícil analisar o macro sem realmente entender o micro. Apesar de toda crise e confusão, o Iraque ainda tem chances de ser um exemplo de mudança para o melhor, como já acontece no Norte desse país há mais de 10 anos. Como diz o Eric Magnell, o advogado que citei acima, num post chamado "The End Is Near!!":

"Let me propose another possibility based on my own limited observation of what has and hasn't worked over here. The people of Iraq will not put aside their ethnic, tribal or religious differences but will eventually understand that continued violence is only hurting themselves. As they see the benefits (economically and politically) of cooperation and peaceful coexistence with coalition forces they will start pressuring the Iraqis who are attacking coalition and Iraqi Security forces to stop. They will realize that the best and surest way to get the coalition out of Iraq (something almost all Iraqis agree that they want eventually) is to stop those Iraqis in their tribes from attacking us. They will start reporting the foreigners who come into their towns to plan and conduct attacks because they will understand how those attacks personally effect their lives. Once the attacks stop in an area, we can and will start work on many projects to help the people out. They will see the benefits of clean drinking water, new hospitals, schools, roads, radios and television stations. All of these things we have already finished or are working on in many cities and town where the people are allowing us to come in freely without fear of attacks. I think that more and more Iraqis are recognizing the benefits of working with us instead of against us. They may not be overjoyed that we are still here but they realize that cooperation is leading to a better outcome than violent resistence. Allawis' method of negotiating with rebel leaders and groups is starting to work in many parts of Iraq and it is a break from the Iraqi tradition of brutally supressing any form of resistence."

Saturday, September 25, 2004

Sábado, 25 de setembro, 2004

   Che, Raúl Rivero e a hipocrisia geral

Eu ia escrever sobre esse filme "Diários de Motocicleta", e a hipócrita adoração e mistificação do assassino maluco que foi o Che. Ia também escrever sobre o movimento reacionário de esquerda que ele participou (e que insiste em não morrer), e o atraso, totalitarismo e violência que ele representa.

Mas para minha sorte, achei esse texto da Slate já diz tudo isso e algo mais. Para quem não quer ler todo o artigo, aqui vai um resumo:

"The Cult of Che
Don't applaud The Motorcycle Diaries.
By Paul Berman
Posted Friday, Sept. 24, 2004, at 4:33 AM PT

The cult of Ernesto Che Guevara is an episode in the moral callousness of our time. Che was a totalitarian. He achieved nothing but disaster. Many of the early leaders of the Cuban Revolution favored a democratic or democratic-socialist direction for the new Cuba. But Che was a mainstay of the hardline pro-Soviet faction, and his faction won. Che presided over the Cuban Revolution's first firing squads. He founded Cuba's "labor camp" system—the system that was eventually employed to incarcerate gays, dissidents, and AIDS victims. To get himself killed, and to get a lot of other people killed, was central to Che's imagination. In the famous essay in which he issued his ringing call for "two, three, many Vietnams," he also spoke about martyrdom and managed to compose a number of chilling phrases: "Hatred as an element of struggle; unbending hatred for the enemy, which pushes a human being beyond his natural limitations, making him into an effective, violent, selective, and cold-blooded killing machine. This is what our soldiers must become …"— and so on. He was killed in Bolivia in 1967, leading a guerrilla movement that had failed to enlist a single Bolivian peasant. And yet he succeeded in inspiring tens of thousands of middle class Latin-Americans to exit the universities and organize guerrilla insurgencies of their own. And these insurgencies likewise accomplished nothing, except to bring about the death of hundreds of thousands, and to set back the cause of Latin-American democracy—a tragedy on the hugest scale.

The modern-day cult of Che blinds us not just to the past but also to the present. Right now a tremendous social struggle is taking place in Cuba. Dissident liberals have demanded fundamental human rights, and the dictatorship has rounded up all but one or two of the dissident leaders and sentenced them to many years in prison. Among those imprisoned leaders is an important Cuban poet and journalist, Raúl Rivero, who is serving a 20-year sentence. In the last couple of years the dissident movement has sprung up in yet another form in Cuba, as a campaign to establish independent libraries, free of state control; and state repression has fallen on this campaign, too.

I wonder if people who stand up to cheer a hagiography of Che Guevara, as the Sundance audience did, will ever give a damn about the oppressed people of Cuba—will ever lift a finger on behalf of the Cuban liberals and dissidents. It's easy in the world of film to make a movie about Che, but who among that cheering audience is going to make a movie about Raúl Rivero?

As a protest against the ovation at Sundance, I would like to append one of Rivero's poems to my comment here. The police confiscated Rivero's books and papers at the time of his arrest, but the poet's wife, Blanca Reyes, was able to rescue the manuscript of a poem describing an earlier police raid on his home. Letras Libres published the poem in Mexico. I hope that Rivero will forgive me for my translation. I like this poem because it shows that the modern, Almodóvar-like qualities of impudence, wit, irreverence, irony, playfulness, and freedom, so badly missing from Salles' pious work of cinematic genuflection, are fully alive in Latin America, and can be found right now in a Cuban prison.

Search Order
by Raúl Rivero

What are these gentlemen looking for
in my house?

What is this officer doing
reading the sheet of paper
on which I've written
the words "ambition," "lightness," and "brittle"?

What hint of conspiracy
speaks to him from the photo without a dedication
of my father in a guayabera (black tie)
in the fields of the National Capitol?

How does he interpret my certificates of divorce?

Where will his techniques of harassment lead him
when he reads the ten-line poems
and discovers the war wounds
of my great-grandfather?

Eight policemen
are examining the texts and drawings of my daughters,
and are infiltrating themselves into my emotional networks
and want to know where little Andrea sleeps
and what does her asthma have to do
with my carpets.

They want the code of a message from Zucu
in the upper part
of a cryptic text (here a light triumphal smile
of the comrade):
"Castles with music box. I won't let the boy
hang out with the boogeyman. Jennie."

A specialist in aporia came,
a literary critic with the rank of interim corporal
who examined at the point of a gun
the hills of poetry books.

Eight policemen
in my house
with a search order,
a clean operation,
a full victory
for the vanguard of the proletariat
who confiscated my Consul typewriter,
one hundred forty-two blank pages
and a sad and personal heap of papers
—the most perishable of the perishable
from this summer.

Wednesday, September 22, 2004

Quarta, 22 de setembro, 2004

   WSJ: Kerry e o Iraque

Resumo abaixo esse editorial do WSJ, que achei especialmente bom. Para o artigo completo clique aqui.

"If nothing else, John Kerry's apparent decision to close out the 2004 Presidential campaign as the "antiwar" candidate would seem to be true to himself and to the party he now leads.

The Democratic nominee entered public life, after all, questioning both America's policy and its purposes in Vietnam. He's now staking his bid for the White House as a critic of the boldest and most divisive American foreign policy initiative since. In the process, Mr. Kerry just might offer us all a clarifying debate over the proper scope and scale of the war on terror, and his Democratic base a badly needed sense that its misgivings about Iraq in particular have gotten a fair hearing.

At least that's what we're hoping. Although we'll make no secret of the fact that we disagree with much of what Mr. Kerry had to say is his speech at New York University on Monday, the Senator finally did offer an internally coherent alternative to the Bush foreign policy of the past four years.

When it comes to the war on terror's grand strategy, readers probably won't be surprised to learn we prefer the Bush version. Limiting the definition of the enemy to bin Laden and his associates makes little sense in an age when terrorists cavort with rogue states and multiply like blades of grass in the despotic soil of the Middle East. Without an Iraq-type plan for changing the region, the U.S. would seem condemned to a century of playing terrorist whack-a-mole. If Mr. Kerry has an alternative root-causes strategy, he has yet to articulate it.

When it comes to Iraq specifically, Mr. Kerry's picture of the country is unrealistically bleak and many of his proposals are already in motion. Iraqi security forces are being trained, after all, and Mr. Bush and Prime Minister Allawi remain committed to the January elections. As for getting other countries to share more of the burden, good luck. Sometimes we think we might enjoy a Kerry victory just for the spectacle of watching a Secretary of State Biden or Holbrooke try to convince the Europeans to accept responsibility for their own security, never mind Iraq's.

The line about making Iraq "the world's responsibility" was perhaps the most revealing in Mr. Kerry's speech. Whereas John F. Kennedy's Democrats pledged to "pay any price, bear any burden" in the promotion and defense of liberty, today's Vietnam-scarred party sees little or no special role for American providence in the world. And the world knows it. Such statements risk encouraging our Baathist and jihadist enemies in their belief that we lack staying power. Likewise, they signal to our potential Iraqi allies that it would be wise to avoid choosing sides until November.

As we've noted before, one of the striking trends in recent years has been the complete role reversal of our two major parties in their philosophy of foreign policy, with Republicans pushing idealism and Democrats deriding it as "neocon" folly. This campaign is shaping up to be no exception.

Mr. Kerry is offering a minimalist conception of the war on terror, focused on al Qaeda and a rapid exit from Iraq. Mr. Bush spoke to the United Nations yesterday again pushing his democracy-for-the-Middle-East line. No one will be able to say voters weren't offered a clear foreign policy choice come November."

Tuesday, September 21, 2004

Terça, 21 de setembro, 2004

   Mídia vs Bush

Uma das coisas mais impressionantes sobre o atual cenário político americano é o total apoio da mídia aos democratas.

Três das quatro grandes redes de TV (ABC,CBS,NBC) são completamente anti-Bush. A menor delas, a FOX, é a única pró-Bush. Das TVs à cabo, a história é a mesma. MSNBC, CNBC e CNN são claramente anti-Bush, e a FOX News é a exceção.

Mesmo a parte da mídia que não lida com notícias, como HBO e os grandes estúdios de Hollywood, são claramente pró-democratas. Aliás, os artistas de Hollywood são um dos grupos mais ativos pelas campanhas do Kerry.

Nos jornais, a situação é pior ainda. Dos maiores jornais, todos são claramente anti-Bush (USA Today, NY Times, LA Times, Washington Post) e o único contrário é o Wall Street Journal.

No rádio as opções são mais equilibradas, entre a rede da NPR (democrata) e os programas independentes de comentários (maioria republicano). Mas o rádio é sem dúvida o meio que menos influi na opinião pública atual.

Essa última "mancada" da CBS é só um exemplo de quão perigoso esse problema é. Eles aceitaram esses documentos falsos contra o Bush sem ao menos checar a fonte. E a falsificação é tão óbvia e absurda, que a influência ideológica é indiscutível.

Se a FOX fizesse algo do tipo, seria um caos. Aliás, a FOX é rotulada como "FAUX" News mesmo sem ter nennhum episódio desses no currículo.

A minha pergunta é a seguinte: Como as últimas eleições e as pesquisas atuais mostram, os EUA estão divididos 50/50 entre democratas e republicanos. Então como explicar essa diferenca tão absurda na mídia?

Eu sinceramente não sei.

Friday, September 17, 2004

Sexta, 17 de setembro, 2004


Pela primeira vez eu vejo um furacão tão de perto. Eu vi dois iguais esse da foto se formarem ainda no caminho do trabalho, e passamos literalmente do lado deles, menos de um quarteirão de distância. Quando chegamos em casa a mobília do terraço tinha voado para todo lado.

Parece que tivemos sorte e foi só isso...

Sexta, 17 de setembro, 2004

   O funeral dos partidos

"O funeral dos partidos - Guilherme Fiuza para o No Mínimo

15.09.2004 | As eleições municipais de 2004 poderão ser lembradas como aquelas em que traficantes receberam a companhia de limpeza urbana a bala, no subúrbio carioca de Irajá. O objetivo da “operação” era resgatar dos lixeiros o material de propaganda do candidato do PMDB. Ulysses Guimarães não viveu para conhecer esse tipo de cabo eleitoral, mas ficaria orgulhoso de ver, nessa mesma conjuntura, suas sementes democráticas brotando em Xapuri, no Acre. A terra de Chico Mendes foi incluída entre os exemplos mundiais de soluções para a vida nas cidades.

O PMDB de hoje é, em todo o território nacional, o melhor exemplo de vampirização do Estado pela política. Uma sigla que não quer dizer nada, ou melhor seria dizer uma senha – que pode valer algumas cestas básicas ou um aviso de que os fuzis bandidos daquela área “recomendam” o voto em fulano. Isto é o PMDB, e é o quadro atual dos partidos políticos nacionais.

O PSDB e o PT podem virar casaca à vontade, do dia para a noite, na questão da cobrança dos servidores aposentados, por exemplo. É legítimo que um defenda hoje o que maldizia ontem, e vice-versa. Só não podem continuar insistindo em convencer a platéia de que são partidos políticos. Assumam-se como brigadas de disputa do poder, parem de cansar o país com essa conversa de princípios e programas, e estará tudo certo.

Xapuri não tem nada com isso. A cidade acreana, ou pelo menos parte dela, está cada vez mais numa órbita que tem pouco a ver com senhas partidárias para assalto ao poder público. É a órbita da ação direta, da gestão criativa, da solução. O município de Chico Mendes acaba de ser incluído numa lista das Nações Unidas de práticas-modelo. O projeto de Exploração Sustentável da Floresta, através do Pólo Moveleiro da cidade, recebeu o Prêmio Internacional Dubai de Melhores Práticas, do Programa de Assentamentos Humanos da ONU. O uso racional de madeiras nativas na confecção de móveis envolve 150 famílias, que melhoraram significativamente sua renda.

O lugar de onde vem esta notícia está cheio de outras igualmente frescas, interessantes e reais – distantes do show fantasioso das campanhas eleitorais. É o projeto Cidade Sustentável, uma pista de que a política ainda possa ter alguma coisa a ver com a busca por uma vida melhor para todos. O responsável pela iniciativa é o deputado federal Fernando Gabeira, que não por acaso está sem partido.

Gabeira conquistou seu atual mandato pelo PT, e acreditava representar um certo conjunto de princípios avalizados pelo partido. No entanto, da noite para o dia, assim como se decide punir os velhos da nação pelo desequilíbrio do caixa, viu o governo do PT legalizar safras de transgênicos contrabandeados, investir em energia geradora de lixo radioativo e encampar o discurso de que os cuidados ambientais estavam travando o crescimento econômico. Todos são livres para mudar de idéia a cada manhã, mas se a idéia faz parte de um compromisso político-partidário, alguém pode querer pular fora da brincadeira. Gabeira pulou.

O projeto Cidade Sustentável ( é uma idéia tonificante para uma democracia impregnada de mofo partidário. Fernando Gabeira criou-o como uma espécie de rede de soluções, prospectando e estabelecendo links entre as mais diversas práticas criadas por universidades, associações e entidades variadas, inclusive governos. Desse entroncamento de iniciativas emerge um vasto painel – sempre em expansão – de possibilidades de gestão saudável da vida urbana. É um choque de esperança para quem se acostumou a viver a política como um Fla-Flu partidário, eterno tiroteio entre promessas que não se realizaram e as que não vão se realizar.

Do Pólo Moveleiro de Xapuri, pela rede da Cidade Sustentável, pode-se saltar para a Incubadora de Cooperativas do Rio de Janeiro. Ela organiza e acompanha grupos de trabalhadores até sua inserção no mercado. Uma equipe multidisciplinar, com professores, pesquisadores, técnicos e estudantes, dá apoio técnico e educacional de forma a permitir que, no máximo em três anos, os grupos tenham condições de sobreviver economicamente num espaço competitivo.

Já os Conselhos Comunitários de Segurança, projeto desenvolvido no Ceará, espalham núcleos de articulação entre a polícia e a população. Até o ano passado, já haviam sido criados cerca de 850 Conselhos, envolvendo diretamente 15 “voluntários da paz”. Eles estão espalhados pelos 184 municípios cearenses, com ramificações em bairros, distritos, vilas, povoados, litoral, serra e sertão.

Uma boa navegada pela Cidade Sustentável é suficiente para lembrar quanta vida inteligente pode existir fora do rame-rame partidário. Se o PMDB de Ulysses, que combateu as baionetas, tem boa vizinhança com o AR-15, e se o PFL, que amava tanto o Banco Central, agora quer que o câmbio se exploda, melhor revogar logo as letrinhas todas, que só servem para confundir. Se criaria então o partido dos que querem ficar um tempão no poder com Dirceu, o partido dos que querem voltar para sempre ao poder com Bornhausen, o partido dos que não se conformam em ter perdido o poder com Serra e o partido dos que querem dar só mais uma passadinha no poder com Maluf.

Esclarecido isto, o país poderia voltar a discutir seus problemas reais, já sem precisar pagar pedágio a miragens alfabéticas."

Thursday, September 16, 2004

Quinta, 16 de setembro, 2004

   Chávez e Putin

Enquanto o mundo se preocupa com o Bush, duas importantes democracias acabam aos poucos na frente de todos.

Na Venezuela, o populismo de esquerda mais uma vez mostra que não consegue ficar longe do autoritarismo. Com a ajuda de muitos, e usando a democracia contra ela mesma, Chávez vai retrocedendo a passos largos. Na capa da Folha de hoje, o Lula está lá bonitinho conversando com o 'el Presidente'. Talvez discutindo mais um empréstimo brasileiro, ou uma nova remessa de barrís de petróleo, vai saber.

Do outro lado, o caso da Rússia mostra a hipocrisia da tal 'comunidade internacional'. Putin já esmagava a Tchetchênia há tempos, e a ONU ficou sempre quietinha. Os Tchetchênos agora também perderam qualquer razão com o ataque covarde e brutal em Beslan. E em nenhum momento tivemos nenhuma manifestação nas ruas para pedir o fim do imperialismo (esse de verdade) Russo, ou alguma ação da ONU para resolver a situação. Os 'pacifistas' oficiais e amadores deviam estar ocupados demais olhando para Israel e o Iraque.

Afinal, certos problemas são complicados demais. É sempre mais fácil continuar achando que Bush é o culpado pelas desgraças do mundo e ficar por isso mesmo.

Tuesday, September 14, 2004

Terça, 14 de setembro, 2004

   Kerry vs Kerry

Clique aqui para assistir um clip de 12 minutos sobre o "flip flop" do Kerry sobre o Iraque.

Tirando algumas manipulações evidentes em algumas partes (o site é mantido pelos republicanos), é realmente interessante ver como o Kerry se contradiz várias vezes. A imagem de que nem ele mesmo acredita em uma só palavra dita nessas entrevistas todas é enorme.

Destaque para uma entrevista com o McCain em 98, lá pelos 10 min do video.

Vale a pena conferir...

Saturday, September 11, 2004

Sábado, 11 de setembro, 2004

   3 anos

Incrível como a percepção das coisas mudam com o tempo.

Lembro bem ainda das sensações daquele dia... O surrealismo daqueles prédios enormes queimando, o pânico de tentar sair do trabalho e achar sua família, a insegurança de não saber o que realmente estava acontecendo.

Depois veio a tristeza, a contagem dos mortos. Essa nunca passou, mas foi seguida rapidamente pela raiva. Uma vontade de vingança poderosa, que uniu o País inteiro. Infelizmente poucos sentimentos podem ter um efeito desses.

Com o passar do tempo, só sobrou mesmo um sentimento de decepção. Decepção em ver a reação irracional dos que tentavam justificar aquele ataque covarde. Decepção de saber que, independente do que se fale ou faça, aqueles 2,749 inocentes morreram de uma forma terrivel e desnecessária, deixando 2,990 filhos e um número muito maior de vidas marcadas para sempre.

Nesse mundo de tragédias diárias, 9/11 acaba sendo só mais uma lembrança da maldade e irracionalidade do ser humano.

Friday, September 10, 2004

Sexta, 10 de setembro, 2004

   Agora vai

Alguém ai está surpreso???

"PT faz pacto com Maluf para atacar Serra

O PT fechou um pacto com o ex-prefeito Paulo Maluf (PP) para que ele poupe a prefeita petista Marta Suplicy e ataque mais o tucano José Serra na disputa pela Prefeitura de São Paulo.
A Folha apurou que o acordo, que vinha sendo costurado havia mais de um mês entre aliados do ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, e o próprio Maluf, foi selado na semana passada. Em troca dos petardos contra Serra, que começaram no programa de TV de anteontem de Maluf, o ex-prefeito seria protegido dentro dos limites legais na CPI do Banestado.
O relator da CPI, o deputado federal José Mentor (PT-SP), discutiu com Dirceu uma atuação pró-Maluf no Congresso dentro dos limites políticos e legais. Ex-vereador no tempo em que Maluf foi prefeito de São Paulo, Mentor tem documentação sobre recursos da família do ex-prefeito no exterior.
No final de junho, a recusa de Mentor de convocar Maluf para depor sobre remessas de dólares ao exterior causou mal-estar entre os integrantes da CPI. Apesar dos quilos de papéis bancários enviados pela Suíça ao país, Mentor afirmou que não via elementos que justificassem a convocação.
Antigo aliado de Dirceu, Mentor ouviu do ministro que um entendimento com Maluf interessava ao PT. A disposição de ajuda no Congresso foi levada ao conhecimento do ex-prefeito, segundo apurou a Folha. Após resistir, Maluf fechou o acordo na semana passada porque, pelas pesquisas eleitorais, já concluiu que estará fora do segundo turno.
No fim do mês passado, quando pesquisa Datafolha mostrou Maluf com 16% das intenções de voto, o PT reforçou as articulações secretas. Nesse levantamento, Marta alcançou 34%, e Serra, 30%, polarizando a disputa.
Nesse contexto, o ex-prefeito deseja vender a única coisa que interessaria ao PT -reforçar o fogo cerrado contra Serra, numa tentativa de evitar que o tucano chegue ao segundo turno numa situação de vantagem.

O acordo com Maluf teve várias etapas. Houve um momento, no qual Marta apareceu em terceiro lugar nas pesquisas, em que ele se afastou do PT. Tinha plano de criar um personagem da Argentina no horário eleitoral, numa alusão ao marido da prefeita, o franco-argentino Luis Favre. O personagem apareceria como muito influente junto à prefeita.
Depois, a recuperação de Marta levou o partido a crer que ela poderia vencer no primeiro turno se Maluf viesse a renunciar. Havia discurso pronto. Um apelo familiar para renunciar, alegando que não podia mais sacrificar mulher, filhos e netos por conta de uma campanha difamatória sobre dinheiro seu no exterior. Como o Datafolha mostrou que a maioria dos eleitores de Maluf (69%) optaria por Serra no segundo turno, o PT descartou a renúncia."

Wednesday, September 08, 2004

Quarta, 8 de setembro, 2004

   Quase perdido

Os erros gigantescos que a campanha do Kerry fez até aqui quase que comprometeram totalmente as chances democratas. E olha que a situação não é nada favorável aos republicanos: a economia continua mais ou menos, o Iraque continua um grande problema, e a tendência é que tudo continue na mesma até Novembro.

Mas o Kerry está conseguindo jogar à favor do Bush. Toda essa estratégia de focar no Vietnã foi uma das maiores falhas dos últimos tempos. O povo americano nunca perdoou os ativistas anti-guerra mais radicais, como a Jane Fonda. E o Kerry conseguiu lembrar a todos que, apesar das suas medalhas, ele fez parte desse grupo. Complemente isso com as indecisões sobre o Iraque (inicialmente a favor da guerra, depois contra, depois a favor de novo, e agora contra de novo) e total falta de definição de propostas econômicas e sociais, e se percebe porque o Bush conseguiu esse pulo enorme nas pesquisas com uma convenção republicana que não teve nada, nadinha de especial.

E agora qual é o novo plano do pessoal democrata? Uma campanha para tentar provar que o Bush não compareceu todo o tempo necessário quando servia a guarda republicana. Um assunto que já foi mais que batido, e que ninguém deu a mínima.

Tirando algum acontecimento fora do comum, a única incógnita até a eleição são os debates. Se Bush for razoável, e Kerry não for brilhante, vai dar Bush.

Como mostra essa pesquisa do Gallup, as chances do desafiante estão cada vez menores: somente 2 das últimas 17 eleições tiveram uma reviravolta como a que o Kerry precisa.

Wednesday, September 01, 2004

Quarta, 1 de setembro, 2004

  Time to relax

Vacation time! West coast, lá vamos nós.
Volto na próxima quarta. See Ya!