Thursday, April 20, 2006

Facing Down Iran

Esse editorial do Mark Steyn para o WSJ é talvez o melhor resumo que eu já li sobre a situação atual do Irã.

É longo, muitos diriam chato, mas é uma leitura obrigatória para qualquer um que quer começar a entender porque estamos aonde estamos, e como esse momento atual pode determinar o futuro não só do Oriente Médio, como do mundo as we know it.

Who is the strong and who is the weak horse? Are we going to choose the bad or the worse option?

The time is now. Our lives depend on it.

12 comments:

Jorge Nobre said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Jorge Nobre said...

Os brasileiros podem achar o que quiserem. Não fazemos diferença nenhuma. Não fazemos falta nenhuma. Será que se o Brasil desaparecesse numa espécie de Tsunami alguém notaria a falta? Além de fãs de futebol e traficantes de mulheres brancas (no caso, mulatas)?

Se não cometerem nenhum atentado na copa do mundo (e o Brasil ganhar, é claro), está tudo muito bem. Se a gasolina disparar a esquerda culpará o Bush e o povão culpará o presidente de plantão. A direita? Morreu junto com Lacerda (ano que vem fará 30 anos).

Breno B. said...

Os EUA não estão em condições de ocupar o Irã, por causa do Iraque, principalmente, e Afeganistão. E só derrubar o governo e cair fora, como quer Steyn, não garante democracia alguma. Democracia é um processo e leva tempo. Tempo e tropas.

Bruno said...

Sempre que penso em política internacional me pergunto o porquê de reclamarem quando os EUA tentam dar uma de policiais do mundo. Existe mais alguém com peito pra tentar garantir o mínimo de estabilidade hoje?

Por exemplo, não estaria na hora da Europa fazer a sua parte, invadindo o Irã? Alguns dos antigos impérios são os principais responsáveis pelo surgimento de países com conceitos capengas de nação no Oriente Médio. Dependem do petróleo tanto quanto qualquer outra região industrialmente desenvolvida no mundo. E ainda por cima, a ameaça de uma bomba iraniana teria um impacto inicial mais forte no território europeu do que no americano, dada a proximidade do continente com o Irã: desenvolver uma bomba leva um certo tempo, fazê-la cruzar o planeta pra atingir a América é mais demorado ainda. Já a Europa é logo ali.

Ia perguntar onde estão os europeus, mas lembrei de um ditado: na guerra, a maior vantagem de ser velho é que os jovens morrem no seu lugar. A velha Europa se esconde...

Homero said...

O problema em se atacar o Irã não poderia estar melhor descrito do que aqui:

http://www.economist.com/World/na/displayStory.cfm?story_id=6828179

Entretanto quando se pensou que essa administração não seria capaz de ser tão incompetente e irresponsavel, eles vão lá e nos supreendem mais uma vez.

Paulo said...

Bruno,
Ocupacao que nem a do Iaque nao vai acontecer em lugar nenhum, e por muito tempo... Apesar de eu ter sido (e se fosse hoje ainda seria) a favor da retirada do Saddam, tudo que foi feito depois acabou na situacao atual, que nao eh nada boa.

Porem, isso nao implica em nao fazer nada. Ou fingir que algo esta sendo feito, como gosta a ONU. O que vai acabar acontecendo eh um ataque aereo e maritimo de grande escala. Pelo menos eh o que eu acho.

Homero,
Vc acha mesmo que a culpa eh so do Rumsf.? Eu acho que eh simplista demais pensar dessa forma. A 'culpa', se eh que da para definir assim, deve ser espalhada por muita gente. Desde o Bremer ate os proprios iraquianos.

[]s

Rodrigo said...

Acredito ser um erro comparar a questão do Irã com a do Iraque.
A invasão do Iraque foi claramente um erro, desde o começo, sem dúvida, mesmo que houvessem WMDs no Iraque, ainda seria errado.
Agora o Irã é mais perigoso.
Bom, a minha opinião toda está no meu blog, o Irã deve ser impedido de fazer armas nucleares, mas os EUA não tem moral nenhuma pra demandar nada já que eles realizaram atos bem horriveis nesse ultimo século.
Mesmo a Europa não tem moral nenhuma pra invadir nenhum país.
Mas ainda assim é uma encruzilhada, deixar o Irã ter armas nucleares é tão retardado quanto foi deixar Israel tê-las.
Isso sem contar a Índia.
Minha nossa, e eu pensava que "guerra nuclear" era assunto de guerra fria. De novo estamos arriscando explodir o mundo por besteira. Que medo que isso tudo dá.

Paulo said...

Rodrigo,
Acho que vc esta caindo na armadilha que eu falei no post acima.

As chances de Israel usarem uma bomba nuclear contra a civilizacao que vc pertence eh minima. As chances do Iran fazer isso sao grandes. Dizer que eh "tao errado quanto" eh um erro.

E quanto a ter "moral" para atacar alguem, novamente te pergunto qual desses lados vc pertence. Achar que a invasao do Iraque foi errada eh uma coisa. Dizer que por causa disso os EUA ou seja la quem perdeu a "moral" para invadir um inimigo como o Iran eh um erro perigoso.

[]s

Bruno said...

É a briga de crianças elevada à política internacional: Joãozinho não tem moral pra reclamar do Pedrinho, porque xingou a Chiquinha de feia na frente de todo mundo.

Rodrigo, você salvou o mundo! Já que o Irã não tem moral pra explodir ninguém, assim como Israel não tem moral pra revidar, nem a Europa tem moral pra atacar e os EUA pra contra-atacar, por que estamos discutindo? E o Brasil? Não tem moral por causa da guerra do Paraguai, que não tem moral porque dizimou uns indiozinhos que insistiram em levar arco e flecha pra um tiroteio.

Antes que alguém diga, os indiozinhos também não tem moral, porque astecas, incas, olmecas, petecas e porpettas (índios italianos, feitos de carne amassada em bolinhas) adoravam arrancar os corações uns dos outros e oferecer pra Xinetoptehuapectomizec ou qualquer outro deus maluco.

Abraços

Homero said...

Paulo,

O Rumsfeld não é o único culpado. Ele é culpado por estar numa área essencial e só ter causado desastre.

Mas como ele tem superiores, os seus superiores como o presidente e o vice também são responsáveis por não tê-lo demitido por causa da incompetência.

A política econômica também seguiu a mesma lógica trágica: queimaram todos os cartuchos disponíveis (praticando uma política keynesiana ordinária) e as administrações e gerações futuras terão que começar tudo do zero, com dívidas monstruosas nas costas para pagar.

O problema só não é maior porque como foram os eleitores que fizeram a escolha, são eles que ficarção por décadas sofrendo as conseqüências dessa escolha.

[]s

Paulo said...

Homero,
Vc pode estar certo. Se tudo que foi feito der prejuizos no futuro, o povo americano realmente merece.

Agora, dizer que tudo que o Rumsf. fez "foi um desastre" eh exagero. E dos grandes. Muita coisa funcionou melhor do que o esperado. Ou vc nao se lembra das previsoes de morte de 20 mil soldados americanos so na "batalha de Bagda"?

O negocio eh tentar manter uma certa nocao, e nao comecar com essas hiperboles.

[]s

RUMSFAILED said...

"Donald Rumsfeld is doing a heckuva job fightin' the war on terra! I resent all this poppycock about firing Rummy; he's just a good ole boy doin' the best he can. All these retired generals don't know diddly squat!"

--The Deciderer in Chief