Monday, May 22, 2006

He is the man!

Toda vez que eu fico meio desanimado e penso em dar um tempo no blog, aparece algo que me anima novamente.

E quem mais poderia ter o poder de mudar meu humor de forma tão rápida? Meu novo herói, a maior descoberta da imprensa dos últimos anos: JOÃO SAYAD.

Vejam a última dele (novamente, é impossível não postar o texto todo):

"Major Sertório com Vila Nova

NO SENTIDO leste-oeste, as ruas de Washington têm nomes de letras. No sentido norte-sul, são numeradas. O Banco Mundial está na 19 com a M. As ruas formam um quadriculado cortado diagonalmente por avenidas com nomes dos Estados: a Casa Branca está na av. Pensilvania. Mas o desenho cartesiano das ruas é perturbado por vias expressas que obedecem à lógica do excesso de carros irracional e poluente.

Localizar-se em Washington, com a expectativa de racionalidade dos nomes das ruas, acaba-se tornando difícil. Algumas ruas se contorcem diante de praças e rotatórias apenas para manter a regra geral. A avenida Pensilvânia faz uma pirueta para continuar com o mesmo nome num outro lugar.

Mais fácil se localizar na Paris romântica, que pensou mais na beleza do que na razão. Ou no Rio, marcado pela natureza, com mar e montanha. Porque não há expectativa de racionalidade no desenho das ruas dessas cidades.

Washington reflete o espírito liberal americano, que pretende difundir a "racionalidade" no mundo inteiro. A razão transformará o mundo num Estados Unidos imenso e racional. Teremos todos a mesma ética. O Oriente Médio adotará o regime democrático. E a América Latina adotará práticas de mercado. Como se todos nós, americanos, brasileiros e palestinos fôssemos seres que, se iluminados pela razão, faríamos as mesmas escolhas. Ganhar a Copa do Mundo? Morrer pelo paraíso de leite e mel prometido pelo Islã? Ou apenas ganhar dinheiro? .

O espírito liberal americano é o discurso do mundo inteiro. Na semana passada, o governo de São Paulo foi criticado por ter negociado com os bandidos do PCC. Qual o critério ético para escolher entre justiça e paz? Justiça a qualquer preço, como querem os terroristas? Ou paz a qualquer preço, como decidiu Chamberlain ao entregar a Tchecoslováquia ao nazismo?

Punição e vingança? A punição é apenas um mal necessário para evitar a privatização da vingança. Não diminui a criminalidade.

A decisão foi negociar-paz agora, justiça depois. Está certo do ponto de vista ético? E se houve negociação, deveríamos mentir? Qual a escolha ética -mentir ou comprometer a imagem de implacabilidade da Justiça?

Vinte anos atrás, a criminalidade não era problema grave. Há 20 anos o Brasil cresce devagar. A trégua com os bandidos é tão irracional ou racional quanto a política de combater a inflação agora para crescer depois.

Foi a única alternativa para podermos sair de casa para um cafezinho na esquina da Major Sertório com a doutor Vila Nova e para uma conversinha sem sentido."


Mais uma vez, um clássico. A completa confusão ideológica. A falta de conexão de idéias. A total ausência de estrutura gramatical.

Amazing.

10 comments:

Alexandre said...

"O espírito liberal americano é o discurso do mundo inteiro."

Pelo jeito o Brasil não faz parte desse tal mundo inteiro. Nas faculdades (profesores), entre os formadores de opinião (JORNALISTAS) o que reina é o espirito atrasado e estatolatra françes.

Incrivel como o Sr Sayad. Uma pessoa que diz que o tal espirito liberal americano é o discurdo do mundo inteiro conseguio chegar tão longe no Brasil como agora no BID.

Ai ai. Como são pateticas as pessoas que distorcem a realidade ja que não contentes em viver no bem bom mesmo que suas ideias reflitam sua mediocridade ainda precisam criar uma aura de vitima para falsamente se engrandecer ainda +.

Tiago said...

Em qualquer lugar sério um camarada como este estaria relegado ao ostracismo... Mas como estamos no Brasil o elevamos a formador de opinião.

Como tem gente que odeia os EUA e tudo que eles representam mas que insiste em morar lá. (O Paulo já destacou isso várias vezes.)

Jorge Nobre said...

Ah, mas ele tem bom coração!

Nemerson Lavoura said...

O homem tá tomando o chá do Evo Morales!

Mas também, como cobrar um mínimo de lógica de quem foi ministro do Sarney e secretário da Marta?

Cláudio said...

Mais divertido que tudo isso é o Canal 58 aqui de Caracas!

Chavez é um gênio!

Homero said...

O Sayad tá pra lá de Marrakesh, mesmo.

Como pode chamar de racional um país que elege um presidente que declarou ter se aconselhado diretamente com o pai eterno? Um país onde a maioria da população acredita em anjos e duvida da teoria da evolução de Darwin?

Que o Brasil é completamente irracional, ninguém duvida. Mas isso não significa que outros países sejam racionais, não.

Paulo said...

Homero...

Diz ai, vc acha a Alemanha um pais mais racional?

Ou entao me cite algum outro. Luxemburgo? :-)

Homero said...

A Alemanha é um país mais racional que os EUA em muitos aspectos, a maioria deles, eu acho.

Mas nem mesmo toda a cultura e o espírito científico alemão foi capaz de evitar o horror dos horrores: o holocausto.

Acho que racional mesmo só a Holanda, a Suécia, a Noruega, a Dinamarca, a Filândia, a Islândia, e poucos outros.

No resto dos países podem ser encontradas ilhas de racionalidade, como a região da Nova Inglaterra e Nova Iorque, por exemplo, ou o norte da Califórnia na costa Oeste dos EUA.

Mas na maioria dos países o que existe é isso mesmo, maravilhas da humanidade como Londres e Paris envoltas pela barbárie completa. ;-)

Ah, ia quase me esquecendo, Luxemburgo, com certeza, é um lugar racionalíssimo.

[ ]s

Paulo said...

Estranho isso Homero... Deixa eu perguntar para meu amigo alemao porque ele deixou um paraiso de racionalidade por esse back country aqui.

Os paises nordicos sao legais. Mas Holanda? Man.

E sobre Luxemburgo eu nao opino. Principalmente depois que ele voltou pro Santos.

;-)

Homero said...

O seu amigo alemão deve trabalhar numa área onde ele pode ganhar muito mais nos EUA que na Alemanha. Além disso nos EUA, ele pode se orgulhar do que faz e trabalhar se destacar e para ser número 1.

Por causa da guerra, existe na Alemanha uma cultura que faz com que ninguém se sinta bem competindo pra ganhar. É um país emasculado. Quem sabe na Amerika o seu amigo possa dar o máximo de si.

Com relação à Holanda, eu não sei se você teve azar de ter visitado o país em um momento ruim. Nas duas vezes em que eu estive lá, a sensação foi de que se a humanidade algum dia contruir um lugar decente para se viver e chamar de civilização, esse lugar será bem parecido com a Holanda.

Organização, respeito às leis, ética do trabalho, espaço pro exercício da criatividade, tolerância, responsabilidade, disciplina e flexibilidade. Isso tudo numa atmosfera cosmopolita e sem nacionalismos ou provincianismos.

E olha que eu nem cheguei perto dos bares de maconha, ou de cogumelos alucinógenos de Amsterdam para pensar assim. ;-)

Quando o assunto é futebol, realmente Luxemburgo não está com nada. Até porque ele nunca treinou o meu tricolor.

Para não me despedir sem colocar um pouquinho de lenha na fogueira, vou deixar esse link de um artigo do Friedman, do NYT:

http://ultimosegundo.ig.com.br/materias/nytimes/2377501-2378000/2377566/2377566_1.xml

[ ]s