Friday, March 10, 2006

Esquerda sofista

Uma das táticas mais comuns da imprensa sofista é colocar um título de reportagem que, apesar de completamente verdadeiro, passe uma idéia completamente oposta sobre o real conteúdo da mesma.

O UOL adora esse tipo de coisa, principalmente com as matérias só para assinantes, mas a imprensa progressista americana não fica muito atrás.

Vejam essa matéria do USA Today: 8,000 desert during Iraq war.

Quem lê isso pensa: Meu Deus, é o fim do mundo. Soldados fugindo pelas ruas, desobediência civil, protestos generalizados... Enfim, Vietnã II.

Mas quem abre o artigo, descobre que na verdade o número de desertores caiu acentuadamente desde o começo da guerra:



Uma diminuição de mais de 50% quando comparamos 2001 com 2005.

Se isso não é desonestidade, eu não sei o que é.

26 comments:

Delance said...

O título é pleonástico. :)

Cisco said...

Isto se chama "boas notícias não vendem" tanto quanto se chama "viés".

Uma pergunta, Paulo: por que as deserções caíram? E por que elas subiram em 2001? Será que os recrutas calcularam suas chances de entrar em batalha ao se alistarem e recalcularam as chances nem depois de 9/11? Será que as pessoas que passaram a se alistar depois de 9/11 são mais informados sobre seu destino e, portanto, possuem menor probabilidade de mudar de idéia? E quais eram as taxas de deserção nos anos anteriores? Como elas variaram desde o fim do draft? É um fenômeno a se estudar. Alguém já deve ter estudado, eu só sou preguiçoso demais para ir procurar.

fjg said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Cisco said...

Eu tinha entendido que a deserção subiu em 2001, caiu um em 2002 e depois caiu horrores em 2003. Hm.

Se tivéssemos dados de 99 para trás, poderíamos saber como isso tudo se encaixa nas tendências históricas.

Fernando said...

Tantas outras matérias tendenciosas e vc me vem escolher logo essa? O título diz '8000 soldados desertaram durante a guerra'. Eu pergunto: o número é correto? Eu não vi nada no título que sugira a sua leitura.

[]s

fjg said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Fernando said...

Vírgulino,

Paulo, antes de Fernando: "colocar um título de reportagem que, apesar de completamente verdadeiro, passe uma idéia completamente oposta sobre o real conteúdo da mesma"

Paulo antes de Fernando: "Mas quem abre o artigo, descobre que na verdade o número de desertores caiu acentuadamente desde o começo da guerra"

Fernando depois de Paulo: "Eu não vi nada no título que sugira a sua leitura."

Em outras palavras: "Aumenta desenfreadamento o número de desertores durante a guerra no Iraq".

Meu computador também faz cut and paste, só não segue o mesmo padrão da direita sofista em escolher negritos.

[]s

Bruno Chiarelli said...

Como vocês escrevem em negrito?

Eu não sei, não sou nem de esquerda nem de direita, muito menos sofista.

Paulo said...

Fernando,
Nao se faca de desentendido. Qual eh realmente o proposito da materia? Informar sm contexto simplesmente eh desinformar. E se eles nao tivessem colocado os dados sobre os anos anteriores? Serio, as vezes eh preciso deixar de lado o partidarismo e xingar quem merece ser xingado. O titulo foi manipulador e tendencioso.

,
Tenho como politica nao apagar comentarios. A nao ser que algo realmente baixaria seja dito. Nao acho que esse foi o caso.

[]s

Fernando said...

Paulo,

Tens razão. Ainda bem que desmascaraste esse Pravda americano, esse Lotta Operaria yanquee, esse Granma estadunidense. Enfim, esse braço da imprensa comunista mundial. Eu bem que suspeitei que as matérias sobre NASCAR eram só pra enganar. :)

[]s

PS = Espero que ainda haja espaço para humor aqui...

Anonymous said...

cara, se desertaram mesmo os 8,000, nao vejo qual seja o problema. eh exatamente isso que ensinam na faculdade de jornalista. e, como tem jornalistas sofistas de direita e de esquerda, no fim dah tudo na mesma....

alex castro

Paulo said...

Fernando,
Ok,ok. As vezes eu levo as coisas serio demais :-)

Alex,
Sem duvida tem de direita e de esquerda. Mas se o pessoal xingasse e fizesse barulho, acho que a coisa melhoraria.

[]s

Fernando said...

Paulo,

De certa forma, O USAToday está do seu lado. Digamos que a base dos leitores seja composta exclusivamente do que vc chama 'liberal loonies'. O cara vê a matéria, imagina todas essas coisas que vc viu na sua leitura e, já no primeiro parágrafo vê que não é nada disso. Ou pior: só lê o título e acaba se dando mal na primeira vez que usa o número como argumento. Francamente, o USAToday me parece mais um braço midiático do Partido Republicano. :)

[]s

Artur said...

Direita Socrática

O que vc tem a dizer desta manchete de hoje do Correio Braziliense:
"Lula ignora orçamento e só governa com MPs"?
As oposições, inclusive explorando os apetites "emendeiros" de parte da base de apoio do governo, propuseram e emplacaram, desde dezembro, a tática da não-votação do Orçamento da União. Sem nenhuma preocupação com seus próprios governadores e prefeitos - e com os cidadãos desse municípios e Estados - que dependem muito de repasses federais voluntários e investimentos em parceria, particularmente em ano eleitoral.
O governo, para não deixar de governar, se vale das 3 únicas alternativas que a lei lhe faculta: transferências constitucionais obrigatórias, uso do "duodécimo" e MP's quando as emergências se tornam inadministráveis.
O Orçamento não existe, logo como "ignorá-lo"?
Não paralizar o país editando MP's - constitucionais e amplamente utilizadas por governos passados - é fruto do "erro" de quem?
Paulo, honestamente, vc acha que manipulação de manchetes é atributo genético de sinistra ou isso é só retórica para a platéia?

Cláudio said...

Ué, mas o Lula é de direita. Logo, o argumento do Paulo continua valendo :-)

Veja um belo exemplo de emergência que poderia tornar o país inadministrável:

"Com manifestações de contrariedades das grandes forças do futebol do Brasil, a Timemania, loteria idealizada para sanear as finanças dos clubes -com dívidas estimadas em R$ 900 milhões-, teve medida provisória assinada nesta quarta-feira pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva."

Jorge Nobre said...

Hey Paulo! O Sowell fala justamente do professor de geografia do Colorado. Aquele classic loon. Nesta coluna.

I love that negão!

Jorge Nobre said...

Gostei particularmente deste trecho: The teacher's lawyer talks about First Amendment rights to free speech but free speech has never meant speech free of consequences.

Paulo said...

Cluadio, Artur,
Olha, nao falo sobre o Lula porque nao leio muito sobre a situacao. Nao tenho tempo, e sinceramente, eh muito tedio.

Jorge,
Sim, o tal professor eh um classic loon mas um pouco mais esperto do que a media. A nova tatica dele foi negar que ele realmente em tudo aquilo que ele falou, e que estava somente tentando "promover uma discussao na sala de aula".

Ja ja esta de volta dando aulas.

[]s

Cláudio said...

Sendo justo com o nosso grande presidente, esse negócio de abusar de MPs já não é de hoje...

Artur said...

Cláudio, parabéns. Reconhecimento dos fatos é premissa obrigatória para a criação de um ambiente saudável de polêmica. Eu passei parte do dia relutando entre ignorar seu chiste ou aplicar-lhe o similia similibus... Ainda bem que optei pela "ignorância".
É mais do que evidente que o recurso a uma MP - instituto legal, no mínimo, discutível - para por uma Timemania em ação, por maiores que sejam os lucros da CEF, desmoraliza qualquer defesa desse recurso.
Sabemos, porém, ambos, que não estão aí os pontos em debate. Só para refrescar nossas memórias, atrevo-me a recolocá-los:
1) o Congresso resolveu - do meu ponto de vista dando um tiro no próprio pé e ajudando a "minha causa" - bloquear a aprovação de qqer Orçamento que seja. O Governo dispõe de um saldo de cerca de R$ 9 bi de restos a pagar e dos duodécimos; ambos acrescidos das MP's. Quem "descumpre" seu papel institucional?
2) o tema do Paulo era dar como "geneticamente de esquerda" manchetar em desacordo com os fatos, da matéria ou outros.
Citei um entre milhares de contra-exemplos ´disponíveis e vcs 2 preferiram a blague ou o pedantismo do "não sei de assuntos do Brasil, ainda que escreva um blog em português, lido majoritariamente por brasileiros" como resposta.
Diria o torneiro-belzebu: menAs, amigos, menAs.

Paulo said...

Artur,

Na eh ser pedante nao. Eu moro nos EUA, ouco as noticias daqui no radio, TV e trabalho. Eh normal que eu saiba mais daqui do que do Brasil.

Sobre a imprensa, eu nao tenho duvida que exista bias dos dois lados, mas acho a comparacao do tamanho do bias injusta. Alias, vou postas uma pesquisa que mostra isso.

[]s

Artur said...

Paulo,
É pedantismo sim.
Eu tbem já morei aí, SoFlo for 2 yrs., sem tentar fazer de conta que os temas tupinambás não me interessavam.
Se assim o fosse vc teria um blog em inglês - ou espanhol - voltado ao debate das urgentes questões do Império e sua relação com os wetbacks.
Mais que isso: conheci seu blog por suas constantes intervenções em blogs brasileiros.
Por fim, para não abusar de sua hospedagem: mesmo supondo que vc "demonstre" um leftist-plus-bias (do que duvido, sabendo quem são os proprietários dos meios de comunicação), por que este diferiria de um rightist-bias? Mera quantidade transformada em qualidade, como prega o materialismo dialético?
Dois pesos e duas medidas é a lusitana descrição dos que dissimulam agenda.
What a pity. You can be better than that.

Bruno Chiarelli said...

Artur, você deveria trabalhar numa fábrica de enlatados, botar rótulo é contigo mesmo. :)

Nem conheço o Paulo, mas se ele mora no "império" (rolling eyes) e não gosta da política brasileira é um direito dele.

Eu moro no que você deve considerar uma colônia do Imperator Bushus Caesar Augustus, lugar que tem o pomposo nome de República Federativa do Brasil, mas que eu chamo mesmo é de Bananão. Deve ser conhecido lá no Imperium por Provincia Brasilia e na nossa antiga metrópole chamavam simplesmente de terra de índio (hoje o apelido é menos singelo, somos terra de puta e travesti, nossos maiores produtos de exportação pra Europa depois da cocaína colombiana).

Vivo aqui por falta de opção mesmo, é um direito meu não gostar do local em que nasci, já que não foi escolha minha. Pior ainda, os assuntos brasileiros enchem o meu saco de uma tal maneira que procuro não pensar neles. E aí? Sou pedante né? Ou talvez entreguista, não-patriota, traidor da pátria amada? São tantos rótulos que você poderia fazer uma descrição de todos eles, mas não lusitana, porque taxar um povo inteiro de burro é pedantismo.

Paulo said...

Artur,

Essa eh provavelmente a primeira vez que alguem me chama de pedante por dizer que nao sei algo.

Eu escrevo na lingua e para quem eu quiser, concorda? Os meus objetivos sao meus, e na verdade sao muito menores do que vc imagina. Eu nao tenho falsas ambicoes, sei bem qual eh meu ganha pao e qual eh meu hobby.

Ah, e quem te disse que eu nao blogo em ingles?

Sobre a imprensa, nao vou entrar nessa de discutir dialetica. Tempo eh curto.

Mas mesmo assim achei legal vc comentar por aqui. Keep it up.

[]s

Paulo said...

Bruno,

Na verdade, por algum motivo que ainda nao consegui entender, o imperio nao se importa muito com o bananopolis. Sei la, acho que eh tudo um plano do Bush para preparar a invasao. Sabe como eh, o Eneas tem apoio da CIA, e se bobear os traficantes da rocinha sao todos treinados por marines.

:-)

[]s

Cláudio said...

Céus, lembrei do Arthur! Quase embarco num emaranhado de discussões sem fim com premisas variáveis.