Thursday, August 31, 2006

Desde aquela época

Apesar dos founding fathers serem a favor de um governo federal pequeno e restrito, desde cedo eles já entendiam a necessidade de montar um exército forte. George Washington por exemplo, respondeu da seguinte maneira quando um dos representantes propôs um limite de 5 mil homens para as forças armadas da União durante a Philadelphia Convention:

"That would be a good idea provided that we could also require that no enemy would ever invade with more than five thousand troops".

8 comments:

Jorge Nobre said...

Dizer os "founding fathers" é uma inexatidão: essa é a opinião do Washington.

Eu teria gostado de saber quais foram os argumentos desse Lew Rockwell pré-histórico.

Igor Taam said...

Particularmente, discordo dessa posição. Exército permanente, governo permanente. A invasão de um país, principalmente na dimensão dos EUA, torna-se impossível pelo simples fato da rejeição local. Acredito que foram as "guerrilhas" americanas e a população armada que expulsou os ingleses. Os Kan conseguiram invadir a China, mas nunca um controle efetivo. Guerra de ocupação é muito complicada e não costuma funcionar bem.

Jorge Nobre said...

Nos tempos de Washington os EUA não tinham as dimensões de hoje, Igor. Alias, desculpe eu não ter respondido o que você me perguntou naquele dia. É que eu mesmo não sei.

Anonymous said...

Pessoal, encontrei na net um ótimo blog sobre politica e coisas do tipo.
É mantido por um psicologo social e prof.
O blog é muito bem escrito e sinceramente foi uma das melhores coisas que encontrei na internet para ler, por isso estou divulgando a vocês. O endereço é:

http://ribeirodealmeida.blogspot.com/

Abraços

Cisco said...

Imagino que a questão fosse ou de um radical utópico ou de alguém que se opunha à centralização de poder. Mas dê mais detalhes, Paulo.

Nota-se por esta resposta de Washington que Garrincha era profundo estudioso da história americana.

Igor Taam said...

Jorge, expliquei-me mal. Citar o tamanho atual dos EUA foi só uma ênfase contrária a esse tipo de política que muitos chamam de keynesianismo militar. Não acho que seja uma boa investida. E a forma como os ingleses foram expulsos foi só um exemplo histórico de como o exército forte não é necessariamente a melhor opção, muito menos a única. Mas isso foi só para dizer que, no geral, guerra de ocupação não é um bom negócio. Mas há casos que podem me desmentir, como na Guerra Fria, aonde o belicismo foi até fator de equilíbrio entre as potências.

Paulo said...

A passagem foi so isso mesmo. A consequencia foi de que na constituicao nao existe nada sobre qual deve ser o tamanho do exercito.

E quando eles falavam de invasao, o perigo nao era ocupacao permanente. Naquela epoca ainda era comum as 'raids' que destruiam cidades, roubavam o que podiam, e iam embora.

[]s

Alexandre said...

Apesar de querer discordar de Washington me rendo a seu raciocinio garinchiano.
Talvez Lew Rockwell argumentaria que se o mundo inteiro fosse contituido "a-la libertarian" realmente não haveria necesidade para exercitos enormes e nem de tamanho medio. Entretanto esse mundo me parece utopico pois seria necesario que todos os povos aceitasem o jeito "libertarian" de ser o que todos os adotosem ao mesmo tempo. Senão aquele + atrasado e frustrado ira investir boa parte de suas riquezas para criar um exercito e então esmagar o outro que não investiu na sua defesa.

Não acho que o argumento aqui apresentado de que os revolucionarios americanos derrotaram o poderoso exercito inglés como um contra-argumento valido para isso ja que pode-se tbm argumentar que pequenos exercitos descentralizados possam perfeitamente derrotar outro unificado e em teoria + forte.
+ forte talvez + menos eficiente.
Da mesma forma alias como os vietnamitas acabaram expulsando o poderoso exercito americano.