Thursday, February 23, 2006

Alckmin

Acompanho pouco a política brasileira hoje em dia. Leio sobre os roubos do PT, sobre os absurdos do Amorin, e sinceramente é tudo muito repetitivo.

Li outro dia que o tal do Alckmin vai ser o "candidato da direita" para a próxima eleição.

Não sei muito sobre ele. Quase nada para ser honesto. Não consegui lembrar de uma medida de impacto que ele tenha tomado. O que as vezes é bom, mas nesse caso, o ponto é que não sei qual é a direção que um governo dele teria.

Olhei o discuso de posse dele no governo de SP, e fiquei confuso. Lá ele diz que "O Governo atuará, então, em quatro esferas concêntricas: a do Governo Empreendedor, a do Governo Educador, a do Governo Solidário, e a do Governo Prestador de Serviços de Qualidade". Essa é a idéia de direita no Brasil?

Será que seria demais esperar que um candidato tocasse no assunto dos impostos? Tarifas absurdas? Acordos de comércio internacional? Quem sabe até mesmo definir se ele quer diminuir ou aumentar o tamanho do governo?

Se a única diferença entre direita e esquerda no Brasil é essa história de dizer "eu sou honesto, o outro rouba" ou então dizer que vai criar empregos sem ao menos tentar explicar como, não sairemos do marasmo nunca. Às vezes fico desapontado que o Lula não fez o que tinha prometido. Se ele tivesse chutado o barraco, e transformado o país num favelão cubano, quem sabe ai o povo entenderia o que precisa ser mudado.

Esse sistema semi-capitalista, que muitos tem a incrível cara de pau de chamar "neoliberal", deixa sempre a falsa impressão que "estamos quase lá", e que só falta competência para os nossos políticos.

Em outra parte daquele discurso de posse, o Alckmin diz que "Sem abdicar da fidelidade aos princípios doutrinários que me norteiam, aqui retorno consciente de que o ato de governar não é militância política. É, isto sim, o exercício de uma função pública. E estas são práticas que não devem e nem podem se confundir."

Princípios? Mais quais são esses princípios? Eu sou realista e pragmático, mas tomar decisões sem deixar claro que existe um conjunto de idéias por trás que pelo menos aponta em uma certa direção é suicídio. Usando uma analogia bem brasileira, somos um time sem esquema de jogo, que fica trocando de capitão sem nunca pensar em contratar um técnico e estabelecer um esquema tático claro.

Pode ser que eu esteja errado, e o Alckmin seja diferente. Quem sabe vocês tenham informações que eu não tenho e me corrijam. Mas pelo que eu vi até agora, parece somente mais do mesmo.

29 comments:

Delance said...

Direita da esquerda.

homero said...

Se o principal parâmetro para ser considerado "de direita" é defender a diminuição do gasto público, então nem Lula, nem FHC, nem Reagan, nem Bush podem ser considerados "de direita".

Thatcher e Clinton talvez possam ser considerados "de direita" por terem diminuido o gasto público.

O problema é que a simpes menção do Clinton como sendo de direita e o Bush como não sendo, levaria ao infarto fulminante boa parte dos analistas políticos americanos.

Na verdade, político é tudo igual, cada um tenta diminuir os gastos públicos destinados à clientela dos partidos de oposição e aumentar os gastos públicos de sua própria clientela.

[]s

Paulo said...

Homero,
Muitos por aqui criticam o Bush por ter aumentado os gastos. E vc tambem deve lembrar que muitos Republicanos apoiaram o cLinton quando ele cortou beneficios ou criou o Nafta. E o Reagan diminuiu o governo em muitas areas, apesar de que no geral o tamanho aumentou devido aos gastos militares. Vc tem uma visao um tanto nublada de como as coisas realmente funcionam por aqui.

Mas veja que apesar dessa ser uma pergunta aberta, eh importante. Na Alemanha eu tambem duvido que o tamanho total do governo va diminuir muito, mas a nova PM ja disse que vai diminuir certos beneficios, nao eh?

E os cortes de impostos do Bush foram um dos pontos cruciais do governo dele.

O que me incomoda eh a total ausencia dessas discussoes no Brasil. So se fala em honestidade e "gerar empregos".

Como eh que vc pode definir direita e esquerda se nem eles mesmos definem o que vao fazer?

F. Arranhaponte said...

Quando eu vejo o Alckmin sendo chamado de direita, abate-se-me um grande cansaço existencial

Fernando said...

O problema da direita no Brasil é justamente essa característica concêntrica que ela tem.

[]s

Anonymous said...

Não há direita no Brasil.

smart shade of blue said...

É claro que há direita no Brasil.

Em um país rico como os EUA, a direita quer aumentar sua riqueza em detrimento da alheia, isto é, diminuir os encargos sociais do Estado para poder pagar menos imposto.

Em um país pobre como o Brasil, a direita também quer aumentar sua riqueza em detrimento da alheia, isto é, quer aumentar os impostos que os pobres e a classe média pagam para poder se locupletar com as negociatas às quais ela tem acesso ao controlar o Estado. Eis porque no Brasil, mesmo sob Lula, os bancos têm lucros recordes.

É realmente simples.

Paulo said...

Smart!
Sabia que podia contar contigo nesse caso.

So que infelizmente nao entendi algumas coisas:
- Direita eh sempre rica? Vc ja olhou uma pesquisa do Pew sobre como os partidos americanos sao formados?
- Porque a Direita do Brasil nao quer pagar menos impostos? Hmm, nao faz sentido, a nao ser que a direita do Brasil (assim como a esquerda) lucre do proprio governo.

Sera que vc poderia citar algumas medidas do Alckmin que justificassem a classificacao de direita? E mais, sera que vc poderia esclarecer no que exatamente o governo dele seria diferente do que o atual?

[]s

Cláudio Cordeiro said...

" a direita quer aumentar sua riqueza em detrimento da alheia"

Essa é a idéia q alguns jumentos da "blogoseira" têm sobre o mundo. E depois a esquerdalha fica nervosinha quando dizem q brasileiro é tudo burro. Olha aí a prova.

Valmont said...

É o Smart Shade of Red, começando a campanha pela implementação da ditadura do proletariado. Acho que aqueles stalinistas/marxistas que vivem no blog dele influenciaram de vez a cabeçorra do sujeito. Começa assim, dizendo que toda direita é perversona e corrupta, e daqui a pouco já vai estar falando mal "do lucro", e "das elites".

E o pior, Cláudio e Paulo, é que o Smart odeia que chamem ele de esquerda! É a famosa esquerda Brokeback Mountain, aquela que tem medo de sair do armário. Assume aí logo, sô!

Paulo said...

Mas que o Smart eh esquerda eu nao tenho duvida, esse nao eh o primeiro comentario desse tipo que ele faz. Se ele fica bravo ou nao eu nao sei.

Mas mesmo assim eu quero entender daonde ele tirou essa definicao tao interessante, que a direita brasileira por algum motivo magico, aceita pagar mais impostos enquanto a direita americana nao aceita.

[]s

Carlos Eduardo said...

Bem, pela definição do Smart, o que acontece no Brasil é justamente o contrário do que testemunhamos. Ou seja, somos há muito governados pela direita - e, a julgar pelo lucro dos bancos, Lula é o mais direitista de todos - e é a esquerda que está fora do mapa.

Jorge Nobre said...

Não tenho nada com isso! Não tenho nada com isso!

fjg said...
This comment has been removed by a blog administrator.
smart shade of blue said...

Paulo,

É evidente, acho, que no Brasil os impostos agem em sentido perverso: os mais privilegiados têm amplo espaço de manobra para burlar o fisco (caixas 2, negociatas à la Daslu - que são regra e não exceção).

Os pobres, mesmo os isentos do IR, pagam uma carga de impostos indiretos totalmente desproporcional ao que pagam os mais ricos. A estrutura fiscal do brasil é totalmente regressiva, portanto.

Assim, alguns estamentos, notadamente os mais bens de vida, estão totalmente à vontade no Brasil: o Estado cobra uma massa de impostos que eles praticamente não pagam, mas se beneficiam deles na outra ponta, ou como rentistas, ou como beneficiários de reguladores capturados, ou com a mão mais na massa mesmo, a partir de negociatas várias, como, notadamente, nos ramos de construção civil, serviços terceirizados, publicidade, etc.

Não é muito importante ser de direita ou esquerda para fazer tal diagnóstico, basta ser minimamente honesto.

Bem, não, não vi a pesquisa do Pew. Mas estou adivinhando que, se você está falando da composição dos partidos Rep e Dem em termos de sua filiação, bem, uma coisa é a demografia dos soldados rasos que os compõem, outra bem diferente é a estrutura de poder que determina quem manda. Quer dizer, isto já é para lá de conhecido na ciência política, desde os trabalhos sobre "teoria das elites". Não por coincidência quem manda em partidos como esses, invariavelmente, é quem tem dinheiro. Há grandes fortunas tanto do lado republicano quanto democrata, e você sabe disso.

A direita anaeróbica, que se imagina pura, como a que muitos por aqui representam, é uma direita ainda primitiva, pré-institucional, e portanto invariavelmente golpista no final, quando percebe que sua receita de sociedade sofre sérios reveses quando defrontada com a prova do pudim _ como soía acontecer com a velha UDN que sempre corria para debaixo das botas dos coronéis. Que essa direita tenha "retornado" é apenas mais um fato a ser debitado à despolitização de certas camadas médias da sociedade brasileira, mas também um interessante estudo de caso sobre a capacidade de ressurreição de certos memes.

Repare que eu não disse aqui, na sua caixa de comentários, que Alckmin "é de direita", daí que não entendo muito bem o motivo de sua pergunta. É claro que sua hipotética filiação à Opus Dei, a confirmar-se, não é algo que deixe um secularista como eu muito feliz.

Se quer saber minha opinião sincera, acho que Alckmin é desprovido de qualidades que lhe permitam fazer a atual situação do país progredir para melhor. Os elementos com que ele se cerca parecem indicar isso. Seu discurso de "gerente" também, já que o Brasil _ e aí acho que tanto a direita, como a esquerda, quanto as pessoas de bom senso, concordarão _ não precisa de um bom gerente que mantenha tudo como está. Muito pelo contrário.

Paulo said...

Smart,
Too verbose. Deixa eu tentar resumir:
- Vc diz que a direita se beneficia de "tax breaks" ilegais e por isso quer aumentar impostos. Ok, eh uma teoria. Acho que isso se aplica a poderosos no geral, but lets keep moving.
- Vc admite que o seu statement anterior de que "a direita eh rica" estava errado? Eu nunca disse que os governantes no geral nao sao poderosos, mas como vc mesmo disse, isso se aplica para os dois lados. Ou nao?
- A unica caracteristica de direita do Alckmin entao eh uma possivel filiacao a Opus Dei? Eh isso? Nenhum dado economico? Nenhuma medida politica notavel?

Sera que vc esta concordando comigo que nao da para dizer entao se ele eh direita ou nao?

bruno chiarelli said...

Smart, o imposto indireto pago pelos mais pobres é o de circulação de mercadorias e serviços, que acaba sendo repassado em cascata ao consumidor. Esse imposto não é pago somente pelos pobres, mas por todas as pessoas físicas ou jurídicas que não sonegam. Ricos, pobres e classe média.

Favor não confundir sonegação com elisão fiscal, esse é um direito de todos, que as pessoas de maior poder aquisitivo e empresas utilizam mais por poderem pagar advogados.

Por exemplo, a alíquota mais cara do ICMS no Brasil é a cobrada no Rio de Janeiro, principalmente nas mercadorias e serviços essenciais. Só pra ter uma idéia, 30% do que se paga de telefone no RJ é ICMS, sem contar o 'fundo de amparo à pobreza' criado para financiar as campanhas dos Garotinhos, que é pago junto. Nem por isso, os mais pobres desse estado têm padrão de vida menor que os do resto do país.

Os "ricos" (só no Bananão alguém tem coragem de chamar de rico um cara que ganhe 13 mil reais por ano) deveriam ser chamados de classe média. Esses sim são afetados pela progressividade do IRPF, que tira mais dinheiro dos que ganham valores próximos do piso do que daqueles que deveriam ser chamados de ricos de verdade.

Esse que é o seu erro, cair na velha balela de ricos contra pobres e esquecer que é a classe média se ferra de verdade, pagando impostos indiretos, IR com alíquota destorcida, e ainda por cima com o pagamento duplo de todos os serviços que o Estado diz na constituição serem dever dele. Paga-se pela educação pública e as mensalidades de uma escola privada. Pela saude pública e por planos de saúde. Pela segurança pública e por grades, vigias noturnos, câmeras, interfones, seguro de imóvel, seguro de automóvel... acho que não preciso ir além.

Você se esquece que fazendo um gato na água, luz, telefone, gás e agora também nas TVs por assinatura, muita gente que vive em favelas consegue ter um poder de consumo bem próximo da classe média. Essa é a que se ferra no final, porque não tem acesso à elisão fiscal, e se tentar fazer um gato geralmente se dá mal. Os ricos e pobres fazem gatos, e os primeiros ainda podem pagar bons advogados.

Tudo isso que eu falei é pra lembrar que a maior parte da direita (esqueça a experiência militar) prega um Estado menor, que cobre menos impostos. Se formos pensar assim, quem é de direita no Brasil, já que a idéia de se reduzir o tamanho do Estado nem é ventilada pelos políticos?

smart shade of blue said...

Paulo,

Acho que há um mal entendido aqui.

Meu primeiro comentário foi em resposta direta ao comentário do "anônimo", anterior ao meu, que dizia que "não há direita no brasil". Eu disse que havia. Não era meu objetivo dizer que Alckmin é "a direita". Até porque direita e esquerda são termos relativos, não absolutos _ fulano está à direita ou à esquerda de sicrano.

Eu confesso que estou devendo a mim mesmo, ainda, uma avaliação melhor do Alckmin. Uma avaliação como essa fica dificultada, é claro, pelo fato de que ele ainda não é o candidato do PSDB e portanto ainda está mais preocupado em construir sua candidatura do que em montar uma plataforma de governo. Mas, à primeira vista, pelas várias ações de seu governo disponíveis na página do Governo do estado do SP, minha impressão é de que ele realmente parece estar mais à esquerda do que a maioria dos comentadores de seu blog:

http://www.saopaulo.sp.gov.br/acoes/

Na verdade, o próprio fato dele ser candidato ao governo, admitindo assim a existência e necessidade do Estado, quase basta para defini-lo da forma que o defini. (sim, isto é uma ironia)

Outra coisa: a formulação "a direita é rica" carece de significado útil enquanto não se estabelece uma definição de trabalho sobre o que é direita e esquerda. Se você define "direita" como a ideologia anti-estado (correndo o risco de incluir uns anarquistas aí, mas...), então é provável que existam pessoas pobres de direita, mas aposto que são minoria. Se você define "direita" como a ideologia dos que preferem a "liberdade" à "igualdade", ainda devem haver pobres de direita, mas muito menos. Por outro lado, pessoas que não querem nem ouvir falar de igualdade mas adoram mamar em negociatas proporcionadas pela sua intimidade com o Estado, o que eu identifico como um comportamento de direita cleptocrática (e muito pouco capitalista, é claro), provavelmente são ricas.

Bruno,

É claro que os impostos indiretos são pagos por todos. Eu não falei que as camadas mais bem de vida não os pagam, falei que eles, proporcionalmente, são uma parcela bem menor de sua renda do que para os pobres _ por isso é que disse que a estrutura fiscal é regressiva.

Repare que eu também, em nenhum momento, me referi à classe média. Essencialmente concordo com seu diagnóstico de que as classes médias são quem mais se ferram, pois não têm acesso fácil às formas de burlar o fisco (principalmente quando assalariada), e nem às delícias informais das favelas e periferias, tais como os "gatos" (e nem por isso vejo um stampede de classes médias indo morar nesses lugares).

Me detive em analisar o que o Paulo me pediu, isto é, porque nos EUA a redução dos impostos é agenda dos ricos e no Brasil, só mesmo da classe média, e ainda assim sem muita vocalização.

De lambuja, posso dizer também que a classe média, cujos filhos têm acesso privilegiado às Universidades públicas, são ligeiramente hipócritas, ou míopes, quando identificam como origem dos males fiscais que lhe afligem os pobres, e não os muito ricos. Mas isso é discussão para outra hora.

Paulo said...

Smart,
Ok, se vc nao sabe muito sobre ele eh so dizer. Foi o que eu fiz.

Sobre direita, acho que vc sabe bem o que eu estou falando. Diminuicao do governo (nao a eliminacao), diminuicao de impostos, diminuicao de tarifas de importacao... So o basico, nada de novo.

Direita "cleptocrática" eh uma definicao interessante. Imagino que vc saiba da existencia da esquerda cleptocrática? Nao seria um pouco mais facil (e quem sabe mais pratico) chama-los de ladroes e pronto? Ou a esquerda e direita roubam de jeitos diferentes?

[]s

smart shade of blue said...

Paulo,

Espere: como deixei claro, eu não fiz nenhuma ilação aqui sobre Alckmin. Esta sua reprimenda sobre "falar pouco" ou confessar que nada se sabe sobre o candidato é pra que, pra me estimular a economizar espaço na caixa de comentários ?? Nesse caso, também acho que é melhor você apenas dizer isto claramente, sem subterfúgios.

Ah, também existe esquerda cleptocrática. Ambos os grupos compartilham um dado fundamental, que é chegar ao poder com um discurso ideologicamente comprometido com sua "banda". Maluf, pela direita, por exemplo.

Volto ao ponto de que o problema é de definição. Se por direita entendemos aqueles agentes que desdenham o objetivo de uma maior igualdade, e que são conservadores em matéria de costumes, então forçosamente devemos admitir que a cena brasileira comporta um grande número de políticos com um perfil de direita _ inclusive cleptocrática. Eu sei que vocês detestam, mas aí vai o velho e bom Houaiss:

"Direita
o conjunto dos diversos agentes políticos de uma sociedade (parlamentares, imprensa, setores organizados etc.) que adotam pensamentos e práticas refratárias a transformações na ordem social, esp. as que implicam a instauração de igualdade política e/ou econômica entre os cidadãos
5.1 parte da população que defende as mesmas idéias e crê nos mesmos pressupostos que os parlamentares de direita, que ger. consistem na oposição a mudanças na ordem estabelecida que venham a favorecer as classes populares e, às vezes, na defesa de governos autoritários; reação."

fjg said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Paulo said...

Caramba Smart, mas tu eh chato hein!

Vou reformular a msg, quem sabe vc entende: Se vc sabe algo do Alckmin que mostre se ele eh de direita ou nao, fale. Se nao sabe, nao enrole.

Sobre a definicao, eu diria que o dicionario eh um tanto tendencioso!! "oposição a mudanças na ordem estabelecida que venham a favorecer as classes populares e, às vezes, na defesa de governos autoritários; reação".... Jesus!

Para evitar essa discussao inutil, vou reformular a pergunta e deixar mais facil pra vc: Vamos limitar a discussao a economia. Existe direita economica no Brasil? Alguem que proponha governo menor, menos impostos, menos tarifas, menos subsidios, etc?

smart shade of blue said...

Paulo,

Pra mim "direita econômica" é aquela que a gente leva pra jantar no MacDonalds, não faz questão de ir em motel caro e não pede presentinho no final da noite.

Agora, em matéria de entender, a coisa está difícil é pro teu lado. Como disse, minha salva inicial foi contra a idéia do "anônimo" de que não existe direita no Brasil. Minha opinião sobre o Alckmin veio de bônus, porque você me perguntou lá em cima, lembra ? E se você me pergunta se ele é direita ou não, eu também já respondi: depende em relação a quem. É chato ficar repetindo, mas parece que você não faz questão de entender, né ?

Já que você acha o Houaiss tendencioso, vou te dar uma outra definição, do Glossary of Political Economy Terms do prof. Paul M. Johnson. Deveria ser uma citação de pedigree inquestionável, já que a referência do Glossário me veio pelo Alexandre, contumaz troll anaeróbico que frequenta o SSoB:

"Right-wing, rightist
A general descriptive term for any of several otherwise rather different, conservative, reactionary or fascist political ideologies, the common denominator of which is their qualified or enthusiastic support for the main features of the current social and economic order, accepting all (or nearly all) of its inequalities of wealth, status and privilege (or even in some cases support for a return to an earlier, even more inegalitarian and hierarchical political-economic order). Right wing ideologies tend to emphasize the values of order, patriotism, social cohesion, and a personal sense of duty that makes the individual citizen who “knows his place” responsive to discipline from his political and social superiors. In America, the term has a somewhat more derogatory flavor than in Europe."

http://www.auburn.edu/~johnspm/gloss/right-wing

Agora, se esta também não satisfazer, você sempre está livre para exercer sua criatividade e criar a sua própria, de preferência uma sob medida para provar o que você quer provar. :)

Da minha parte, como eu também disse, a direita a que você se refere, no Brasil, é um fenômeno de classe média, como a velha UDN. Expliquei também que para a direita cleptocrática, essa questão dos impostos é muito menos importante.

Certo ?

Paulo said...

A definicao da Wikipedia eh muito melhor:
In politics, right-wing, the political right, or simply The Right, are terms that refer to the segment of the political spectrum often associated with any of several strains of conservatism, the religious right, and areas of classical liberalism, or simply the opposite of left-wing politics. In some contexts, the term right-wing also can include authoritarian nationalism, but that is generally considered part of the far right, which this article does not cover.

Quanto ao Alckmin, nao eh preciso comparar com ninguem. Se vc me perguntar o quao direita economicamente o Bush eh eu respondo, ietm por item. Como eu disse, se eh para ficar com esses sofismas de "direita cleptocratica" eh melhor falar que nao sabe e pronto oras.

smart shade of blue said...

Pois é, Paulo,

Preto correndo é ladrão.

Direitista correndo é maratonista.

GROSSO said...

Ah, como são felizes os esquerdistas.

homero said...

Paulo,

Com relação aos outros pontos não é necessário dizer, mas sob o ponto de vista econômico, você acha que o Bush é de direita ou de esquerda?

Paulo said...

Smart,
Quem esta agindo dessa forma eh vc. Alias, literalmente, vc disse que direita cleptocratica eh uma subdivisao da direita. Nunca vi vc dizer isso da esquerda.

Homero,
O Bush nao eh nem de longe de direta economico (Liberal). Os tax cuts apesar de tudo foram bons, mas o medicare foi um desastre, acordos internacionais nulos, e aumentou o tamanho do governo. Eu acho que ate ja disse isso, mas eu dou nota 6 para ele no geral. Se for so na area economica, eu dou uns 4.

[]s

homero said...

Pois é, Paulo.

Esse é um paradoxo interessante. O Bush, assim como o Reagan são inequivocamente considerados como políticos de direita, mas praticaram políticas fiscais que nenhum economista ortodoxo adotaria.

Ambos são "Big-government Conservatives". Talvez por isso que seja tão difícil traduzir a palavra "Liberal" quando se fala da política econômica americana.
[]s