Monday, February 13, 2006

"A prova"

O Smart lançou mais uma campanha de concientização dos perigos malígnos do Bush. A mensagem da vez é que o Demônio na terra está aumentando o exército americano à níveis nunca vistos.

A "prova" dele são os gastos absolutos. O que não faz o menor sentido. É como comparar os gastos de uma pessoa que ganha 1000 dólares com outra que ganha 5000 dólares. A única forma relevante é comparar o quanto do bolo é dedicado proporcionalmente a esta ou aquela área em épocas diferentes.

A verdade, então, fica bem mais aparente (more info aqui):


Como eu tinha dito nos comentários desse post, os níveis atuais são iguais aos de 10 anos atrás (3.8% em 2006 comparado com 3.5% em 1996) e bem menores que os de 20 anos atrás (6.2% em 1986).

Agora, lógico que existe desperdício. E tambem é válido discutir se o dinheiro está sendo bem gasto. Como regra geral, qualquer programa de governo desse tamanho vai ser um desastre. Programas menores, como a NASA, são mais transparentes e a ineficiência fica bem clara.

Mas quando a análise começa da premissa errada, i.e., "é sempre culpa do Bush", a discussão não chega à lugar nenhum.

16 comments:

Cláudio said...

Isso me lembrou um estudo que rolou aqui no Brasil de um ministério ou coisa parecida que começava dizendo que o objetivo era provar que existia discriminação racial no Brasil. Ora, o estudo já nasceu contaminado.

Jorge Nobre said...

Poderiam dizer que a culpa é do politicamente correto. Nem sempre, mas na maioria das vezes. Mas isso não dirão nunca. Primeiro, contra o Bush. Depois, a verdade.

Jorge Nobre said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Jorge Nobre said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Jorge Nobre said...

E isso que o André "Don't Ask, Don't Tell" Saliva escreveu no blog dele?

The military's gay ban has cost almost $364 million since its revamp under Clinton. I'm sure there are better ways for the Pentagon to spend that money.

Não sei não, mas eu acho que se fosse permitido às bichas assumidas rebolarem nos quartéis "eles" seriam tão maltratados que deixariam logo o exercito mas pedindo milionárias idenizações - e aí o custo seria ainda maior!

Considerando que seu post é sobre gastos públicos e principalmente militares eu acho que essas observações fazem parte do assunto em paúta.

Claudio said...

ah........entao voce é o paulo?

Jorge Nobre said...

Não, eu só acho que o post do André "Don't Ask, Don't Tell" Saliva trata do mesmo assunto (ou quase).

Claudio said...

paulo, só para lembrar: conscientização. Corrige lá.

Marcelo said...

Paulo,

Houve uma mudança no perfil dos gastos.

Os EUA de antes tinham um exército de combate, um exército pesado, pra chegar no território inimigo e acabar com ele. Era uma força preparada pra acabar com um inimigo gigante.

O exército americano de hoje é diferente, é uma força mais rápida, mais móvel, e que não só explode o inimigo, mas também suporta a opupação do seu território.

De certa forma é uma contradição de tudo o que historicamente os EUA vinham fazendo em termos de politica e ação militar.

Fernando said...

Dizem que as bichas assumidas são tão bem tratadas no exército americano, que os Marines já estão pensando em mudar de uniforme. Casaco rosa-shock, calça azul-lilás e sapatilhas.

[]s

Cláudio Cordeiro said...

Olha o Fernando já pensando em se alistar..... :-)

Cláudio said...

Opa! Outro Claudio na área! :-)

Fernando said...

É só falar em "Don't ask, don't tell", que os burros levantam a cabecinha...

Jorge Nobre said...

Fernando e Cláudio, vocês vão brigar? Acho melhor não. Lembrem-se como Napoleão perdeu a guerra. Don't ask, don't tell...

Jorge Nobre said...

Mudando um pouco de assunto, Paulo, o Olavo de Carvalho escreveu uma coisa sobre a guerra dos cartoons que me deixou "com a pulga atrás da orelha", como se diz. É sobre energia alternativa, e eu deixei um comentário no post sobre o petróleo do Canada, esse aqui.

Marcelo said...

Jorge,

Esse projeto dinamarques visa tornar comunidades auto-suficientes. Certo, bonitinho no papel, agora, faz uma fábrica de carros, de chips, uma metalurgica ou uma megalopole com essa tecnologia.

Hoje, não faz. O que deve ocorrer pro futuro é uma pulverisação da matriz energética. E a menos que alguem descubra como fazer reatores tokamak funcionarem, vai ser energia cara.