Saturday, December 17, 2005

Self-discipline



Durante toda minha infância eu fui um aluno medíocre. Naquela época, eu não sabia que meu QI era alto. Acreditava que eu era average, e acho que todos a minha volta também achavam o mesmo. Lembro claramente que meu objetivo era sempre descobrir o limíte do mínimo esforço necessário para passar de ano. Quando mudei de escola e a nota de corte mudou, me adaptei imediatamente. Independete da matéria eu nunca ficava longe da média, nem para cima nem para baixo, com pouquíssimas exceções.

Eu vejo basicamente duas explicações para esse comportamento:

- Eu tinha muito poucos incentivos para tirar notas altas. Minha familia só se interessava em que eu passasse de ano. A escola não oferecia prêmios, clubes, nada. As matérias eram pouco interessantes, e de pouca aplicação prática. Na verdade, os incentivos eram negativos. Ser um 'CDF' era péssimo socialmente. Além disso, como as poucas diversões oferecidas (esportes) não eram conectadas com o desempenho escolar, as mesmas competiam (e ganhavam) pelo meu tempo que teoricamente seria dedicado ao estudo.

- Eu acreditava que inteligência era a única responsável pelo sucesso escolar. Mais, achava que pessoas realmente inteligentes conseguiam tudo que queriam facilmente. Quem precisava se esforçar na verdade eram os burros. Os professores sempre diziam "Ah, o Pedrinho é um ótimo menino. Não muito inteligente, mas muito esforçado!". Se eu não conseguia notas altas automaticamente, era porquê eu não era inteligente o suficiente. Qualquer esforço seria somente uma admissão de burrice.

Essa situação continuou até eu começar a trabalhar, quando os incentivos mudaram e a importância da Self-discipline ficou evidente. Até voltei para a escola para fazer meu mestrado, só para provar que era isso mesmo.

O problema da falta de incentivos nas escolas é bem óbvio. O que mais me intrigou foi pensar nessa cultura que desmerece a aplicação e a disciplina. Aqui nos EUA, assim como em outras partes do mundo, esse tipo de associação não existe. Ou pelo menos é bem menor.

Meus amigos progressistas que me perdoem, mas eu acho que esse problema tem muito a ver com a visão anti-capitalista do mundo que eles têm. Afinal, se o QI é o único determinante do sucesso de uma pessoa, ninguém tem culpa de nada. O sistema todo é pré-determinado e o resultado final sempre será o mesmo.

O artigo linkado não demonstra que a self-discipline não é passada genéticamente. Entretanto, acho que fica bem mais difícil propagar e justificar essa idelogia de "from each according to one's ability, to each according to one's need" baseado numa característica tão obviamente controlável como a disciplina.

18 comments:

Anonymous said...

fiz um post sobre isso....
alex castro

Anonymous said...

Com relação ao GPA,não duvido.Mas e com relação a todas as outras realizações profissionais na vida?Rendimento financeiro,evolução em hierarquias e mesmo desempenho universitário?

Jorge Nobre said...

SALVE O TRICOLOR PAULISTA,
AMADO CLUBE BRASILEIRO,
TÚ ÉS FORTE, TU ÉS GRANDE,
DENTRE OS GRANDES O PRIMEIRO


OH, TRICOLOR,
CLUBE BEM AMADO,
AS TUAS GLÓRIAS
VÊM DO PASSADO

SÃO TEUS GUIAS BRASILEIROS
QUE TE AMAM TERNAMENTE
DE SÃO PAULO TENS O NOME
QUE OSTENTAS DIGNAMENTE


OH, TRICOLOR,
CLUBE BEM AMADO,
AS TUAS GLÓRIAS
VÊM DO PASSADO

TRAZES GLÓRIAS LUMINOSAS
DO PAULISTANO IMORTAL
DA FLORESTA TAMBÉM TRAZES
UM BRILHO TRADICIONAL

OH, TRICOLOR,
CLUBE BEM AMADO,
AS TUAS GLÓRIAS
VÊM DO PASSADO

SÃO PAULO, CLUBE QUERIDO
TU TENS NOSSO AMOR
TEU NOME E TUAS GLÓRIAS
TEM HONRA E RESPLENDOR

OH, TRICOLOR,
CLUBE BEM AMADO,
AS TUAS GLÓRIAS
VÊM DO PASSAD

TUAS CORES GLORIOSAS
DESPERTAM AMOR FEBRIL
PELA TERRA BANDEIRANTE
HONRA E GLÓRIA DO BRASIL

Leila said...

Não sei se a melhor forma de estimular o trabalho intelectual na escola seja um sistema de competição e premiação. Há pessoas que respondem bem a esse tipo de ambiente, outras se rebelam contra a pressão e outras sofrem e ficam doentes por isso. Não é à toa que os pais precisam se esforçar para escolher o estilo de escola que mais se adapta à personalidade de seus filhos. Eles podem desabrochar mais numa escola autoritária e competitiva, ou numa liberal e artística, só experimentando para saber.

Paulo said...

Anonymous,

Nao vejo porque duvidar que a situacao no resto da vida seja bem parecida.

Alias, vou ate comentar no site do Alex, nao estou dizendo que QI nao importa. Importa sim, mas nao acho que seja o principal determinante no sucesso de alguem. Fica ate facil de comprovar isso (e eu ja vi estudos assim) mostrando como as pessoas de sociedades como a Mensa nao sao necessariamente as mais successful.

Jorge,
Vcs deram uma sorte danada viu :-)
Mas parabens

[]s

Andrei Formiga said...

Eu também não estudava no colégio, até tirava notas boas mas nunca fui muito de me esforçar. Tem sim todo esse estigma de que quem precisa se esforçar é porque é burro, bem da cultura brasileira. Eu só vim perceber isso quase no fim da faculdade.

O "sonho brasileiro" é esse mesmo, se é que existe um: ficar rico e bem de vida sem fazer esforço. Se isso for por parentesco, herança, roubando dinheiro público ou o que for, não importa tanto. Besta é o que tem que se esforçar pra conseguir. Mas todo mundo sabe disso.

Anonymous said...

o meu sonho eh esse mesmo. com certeza, trabalho nao faz parte do meu sonho. alias, tem que ser muito doente pra sonhar com trabalho....

alex castro

Anonymous said...

"Nao vejo porque duvidar que a situacao no resto da vida seja bem parecida."
Pode ser que sim,mas GPA e sucesso profissional não estão totalmente ligados.Mesmo que gente com GPA bom consiga bons desempenhos,gente com mau GPA consegue maus desempenhos,etc...,não dá para provar que,quanto maior o GPA,melhor o futuro desempenho profissiona.São medidas diferentes feitas em estágios diferentes da vida...Não vejo porque duvidar não é o suficiente:)

Cláudio said...

Concordo plenamente com o Alex: também acho que quem não pensa como eu é doente.

Cláudio said...

Falando sério agora, acho que o mundo seria meio weird se tivéssemos somente um dos dois extremos. Ainda bem que temos vários tons de cinza. Se o mundo fosse populado somente por gente em busca de produtividade máxima, a própria industria do entretenimento iria pro espaço pois todos estariam ocupados demais buscando seu máximo de produtividade. Por outro lado, se todos fôssemos punheteiros em busca de nada mais que o mero prazer, o mundo provavelmente ainda estaria na idade da pedra.

Anonymous said...

como eu disse, ainda bem que tem gente trabalhando por mim. tomara que continuem assim. alex castro

Chantinon said...

Acho que o correto seria deixar de julgar as pessoas por um padrão de competência.
Muitos são péssimos no colégio, e na vida profissional se dão muito bem, sendo artistas ou comerciantes, que são profissões divertidas.
Precisamos dos densos e sérios, mas tudo é equilíbrio, como já mencionaram.
A Leila falou tudo. Meu filho esse ano está péssimo no colégio, onde ele já havia estudado por 2 anos. Mudamos de cidade e ele foi para um colégio melhor e mais exigente, para minha surpresa ele melhorou de notas e aproveitamento intelectual (que é melhor que nota), voltamos para a cidade natal e ele para o antigo colégio que é do tipo PPP (Papai Pagou Passou), e ele está à beira de uma reprovação.
Além disso, pesquisem e me mostrem quantos homens cultos se dão bem na vida e quantos “burrinhos” se saem bem.

Igor Taam said...

"meu objetivo era sempre descobrir o limíte do mínimo esforço necessário para passar de ano"

haha foi a história da minha vida escolar toda.

Victor Hugo said...

Ei, Chantinon, eu prefiro ser um mendigo inteligente do que um milionário imbecil. Conhecimento é poder. Sendo inteligente, pelo menos eu seria um mendigo por opção própria.
É claro que a inteligência às vezes acarreta outras conseqüencias desagradáveis, como a ampliação da percepção, que nem sempre é algo que te ajuda a obter suas conquistas. Mas não importa, a praticidade não é a coisa mais importante de vida. O pragmatismo é o maior erro do ocidente, juntamente com a lógica aristotélica.

Anonymous said...

"Fica ate facil de comprovar isso (e eu ja vi estudos assim) mostrando como as pessoas de sociedades como a Mensa nao sao necessariamente as mais successful."
Paulo,mas isso significa que falta ao pessoal da Mensa disciplina?Como sabe que são só essas variáveis em jogo?E quem garante que o QI realmente representa a capacidade intelectual?Será que o QI,por exemplo,representa bem a capacidade de perceber oportunidades e aproveitá-las (importantíssima para empreendedores)?Se o QI serve como previsor de sucesso,talvez o QI não seja bem representativo da capacidade intelectual.
ASS:Silas

Anonymous said...

AH,apesar da discordância,parabéns pelo ótimo site.
ASS:Silas

Anonymous said...

Correção:Se o QI NÃO serve como previsor de sucesso,talvez o QI não seja bem representativo da capacidade intelectual.
ASS:Silas

Chantinon said...

Vitor Hugo, é fácil preferir ser pobre quando não se passa fome.
Deve ser horrivel para um QI 200 receber ordem de um idiota com QI de 80. Mas acredite, tem muito idiota no poder... Lembra de um tal Lula e outro chamado Bush?