Sunday, July 24, 2005

Desgraça típica

Será esquecido rapidamente pela sábia opinião pública brazuca que o brasileiro morto em Londres pulou a catraca sem pagar e que não atendeu às ordens da polícia numa cidade que teve 2 atentados nas últimas duas semanas. Só será lembrada a tremenda falta de sorte do pobre coitado, a incompetência da polícia londrina, e o fato de que foram 5 tiros. C-i-n-c-o!

Anotem ai: Ainda vão fazer a conexão de que a morte dele foi culpa da guerra do Iraque. (Blair ou Bush, pick your choice).

E se bobear, também vão falar que eu e os outros gatos pingados que lembramos dessas coisas estamos defendendo o erro da policia, ou que condenamos o coitado do brasileiro à morte.

E a típica desgraça brasileira: uma união de irresponsabilidade com uma completa falta de consideração por tudo que te cerca.

22 comments:

Claudio said...

Eu não souber desses dois detalhes (pulou a catraca e não atendeu à ordem de parar). Cacilda!

Claudio said...

Complementando a desgraça brasielria: uma completa falta de noção de causalidade. Não sei através de qual mecanismo, mas por aqui se perdeu a capacidade de associar causa e efeito.

Alguém deveria estudar o Homus Brasileirus.

Paulo said...

Claudio,
Para ser justo, muitas materias por aqui tambem nao estao citando esses fatos. Ate mudei o link de cima, porque a materia do NYT nao estava descrevendo a cena toda. Essa da CNN esta melhor.

Eh sempre mais facil dizer que a policia estava louca e ponto final.

[]s

Paulo said...

CNN nao, Time.

Alex said...

os policiais estavam uniformizados ou se identificaram como policiais? eu acho que li em algum lugar que não...

Alex said...

nao entendi uma coisa. quer dizer que vc acha que se bush e blair nao tivessem invadido o iraque, isso tudo teria acontecido do mesmo jeito?

me parece bastante obvio que o clima tenso em londres que resultou na morte do brasileiro é consequencia direta dessa guerra criminosa....

nao entendo isso. vc pode até defender essa invasao aí pelos seus motivos. tudo bem, I'll grant you that. mas quando os invadidos vêm retaliar a invasão provocando atos terroristas na terra do invasor (que não estou justificando), como é que vc vem me dizer que isso NÃO é consequencia da invasao?

Carlos Eduardo said...

Cláudio,

O fenômeno é antigo, infelizmente. Décadas atrás, Gilbeto Amado costumava dizer que tinha um orgasmo quando conhecia um brasileiro conseguia ligar causa a efeito.

Leonardo said...

OMG, o cara ignorou a polícia, pulou a catraca, tentou fugir e esse Alex aí de cima ainda cai no argumento que o Paulo mencionou no post... se fosse em qualquer lugar do mundo teriam atirado no sujeito, até aqui no RJ. A diferença é que a PM teria fuzilado antes dele tentar pular, sem ordem nenhuma pra parar.

E ai Alex, e se ao invés da Al Qaeda o autor dos atentados tivesse sido o IRA? Dois atentados seguidos do IRA no metrô de Londres, a polícia assustada e a população com medo. Um finlandês (ou boliviano ou brasileiro, ou venusiano etc) resolve pular a catraca e ignorar a polícia. Leva 5 azeitonas no bucho. A culpa foi de quem? Do rei George V, que em 1920 ocupou a Irlanda e dividiu o território em dois? Santa paciência batman, haja saco...

Nemerson Lavoura said...

Concordo com o Paulo, mas a pouca importância que as "otoridad" (copyright uncle Filthy) britânicas estão dando ao caso me incomodou um pouco.
De todo modo, o mesmo argumento tem de valer também para casos semelhantes em outros países. Por exemplo, caso um PM carioca - que recebe um salário de fome e corre mais risco de morrer do que um policial em Bagdá, e que portanto vive sob estresse infinitamente maior - dispare uma rajada de fuzil num turista inglês.
Nessa hora, entretanto, a mídia européia e norte-americana (não vou nem falar da brasileira)sempre promove um linchamento moral da polícia antes de qualquer apuração dos fatos. A polícia brasileira mata porque é "sanguinária e corrupta" - e ponto final. A inglesa (ou francesa, suíça, etc) mata porque "não havia alternativa" ou porque comete "erros trágicos, porém inevitáveis". Ou todas as polícias são sanguinárias - o que é obviamente uma bobagem - ou deve-se sempre analisar cada caso com cuidado antes de se emitir opiniões.

Alex said...

bem, se um país atacar um grupo e o grupo responder atacando esse país não é causa e efeito pra vcs, entao eu nao sei o que é.

a morte do brasileiro é só uma consequencia do estado de nervos da policia inglesa depois dos atentados das ultimas semanas, atentados esses em resposta à invasao do iraque...

nao estou dizendo quem está certo, ou quem é errado, ou de quem é a culpa, etc. só estou estabelecendo causa e consequencia.

Paulo said...

Alex
A Alqaeda ha havia atacado os EUA antes do Iraque, correto? Nao existe motivo para achar que poderia ter atacado a Inglaterra sem que o Iraque tivesse acontecido! Vc leu o post do Prim.Ministro da Australia? Vc acha que os ataques as embaixadas e tudo mais nao poderiam ter escalado sem a guerra do Iraque?

Acho que vc continua caindo nessa propaganda barata de que a guerra do iraque criou o terrorismo mundial. O que aconteceu foi exatamente o contrario.

Claudio said...

Há a mesma relação de causa e efeito de quando a polícia mata um traficante e os seus comparsas impõem um luto na região, forçando o comércio do bairro a fechar suas portas. Neste caso, pode-se dizer que o que causou o fechamento do comércio foi o combate ao narcotráfico.

Agora, politicamente falando, é culpa do Bush e do Blair mesmo e ponto final.

Cisco said...

Eu já fui acusado umas duas vezes de estar defendendo o erro da polícia. E olha que na segunda vez eu me dei ao trabalho de frisar que a polícia cometeu uma merda gigantesca.

Mas o Alex, em seu primeiro comentário (em que ele fez sentido), lembrou uma coisa importante: os policiais estavam a paisana. O cara pode simplesmente não ter acreditado que os caras mandando ele parar eram mesmo policiais. Os bobbies não andam armados mais, certo? Eu não sei se ia acreditar que homens não-uniformizados e armados em Londres eram policiais.

Paulo said...

Cisco,
Eu pensei nisso, e se tudo isso tivesse acontecido num beco escuro ou um lugar abandonado eu ate daria razao para o cara. Mas no metro, com todo o historico que aconteceu nos ultimos dias, acho que foi um erro enorme do cara.
[ ]s

Rafael said...

Paulo, já fizeram tudo isso que você falou no post. No blog do Smart Shade of Blue, exemplos abundam.

Alex, os atentados não foram cometidos por iraquianos, logo me parece um tanto difícil que alguém acredite que um ataque SUICIDA possam ter cometido em nome deles. Tem que se ter algo maior por trás, uma filosofia perniciosa e nociva que precede a invasão americana do Iraque.

Claudio said...

Houve um episódio aqui no Rio, em um período onde vários policiais estavam sendo executados, em que um cara furou um blitz da polícia. Seu carro, como o de quase todos os cariocas tinha um insulfilm que tornava impossível ver o interior do veículo. Resultado: foi alvejado e morto pelos policiais. Trágico? Sem dúvida. Mas o que deveriam fazer os policiais? Esperar que a situação, altamente suspeita, se mostrasse inofensiva e que apostassem nisso suas vidas?

Paulo said...

Mais um pequeno detalhe na tragedia: O brasileiro estava no pais ilegalmente...
http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/4713753.stm

Destruidor said...

Mas ainda se está a disseminar as mentiras oficiais?

Malkhut said...

Brasileirinho com jeitinho, ele teve é muita sorte... morrer na inglaterra a ainda virar celebridade, mesmo deposi de morto, é muita sorte mesmo!!! se tivesse atendido a polícia e parado, estaria agora num avião, rumo ao bananão... porra, isso é um azarão do caralho...

E, Alex, mata a minha curiosidade, por favor: "o Al Qaeda é iraquiano? Qual o país do Bin Laden? Seu país foi invadido para ele retaliar a inglaterra desse jeito?"...

Estude um pouco da história do Oriente Médio desde os 70 depois de Cristo antes de emitir opiniões tão fora de propósito... Só não vale estudar a história somente depois do 11/set...

Edson said...

Mas Paulo, essa história ainda está muito, mas muito mal-explicada pra você chegar e dizer que foi um caso de "irresponsabilidade e completa falta de consideração pelo o que cerca" do tal brasileiro. Há rumores, vindos de testemunhas e de autoridades britânicas, de que ele não teria pulado a catraca: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft2607200507.htm

Há um detalhe que corrobora bastante essa versão: pra que ele ia pular a catraca se tinha um passe mensal para o metrô?

Por mais que isso tudo tenha que ser melhor explicado, talvez o cara realmente não tenha reagido da melhor maneira possível à abordagem dos policiais. Mas, pelo que soube até agora, o erro maior, mesmo, foi da polícia londrina: há algo muito errado em uma abordagem que deixe um inocente com medo e o faça sair correndo. Um erro bastante compreensível, dado o estado de nervos em Londres, mas um erro que tem que ser muitíssimo bem investigado e pelo qual tem que se pagar de algum jeito.

Senão, o resultado pode ser este:

**Tudo o que [a testemunha da morte de Jean] viu naquele dia deixou marcas profundas. Whitby diz estar "muito assustado". Conta que, em razão do serviço que faz, anda com uma bolsa grande, cheia de equipamentos com fios. "Agora morro de medo que vejam minha bolsa e achem que estou carregando uma bomba." Isso o levou a parar de usar o metrô e se locomover apenas com a moto que já tinha.**

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft2607200505.htm

De que adianta uma política anti-terrorista que deixa inocentes com medo?

Edson said...

E claro, antes que você me entenda mal: não estou dizendo que você está defendendo o erro da polícia. Mas me pareceu que você se apressou muito mais em ver as razões do aparato policial do que as razões de um inocente morto. Eu acho sempre melhor inverter essa ordem de preferência, sabe?

Paulo said...

Edson,
Eu so posso me basear em informacoes da imprensa. Se ele nao pulou a catraca, se nao deixou de atender a ordem da policia, ou se os policiais nao se identificaram direito, o que eu escrevi nao vale nada, fazer o que?

Mas de acordo com o que foi descrito, ele teve parte da culpa. Logico que a culpa maior eh de quem matou um inocente, mas acho muito simplista dizer que foi um erro absurdo ou que as liberdades civis estao sendo pisadas.

E quanto a politica anti-terrorista, acho que eh impossivel vc combater uma violencia como essas sem deixar seu povo com medo. Eh somente uma consequencia. Se existisse uma maneira melhor para se lidar com esse tipo de problema, pode ter certeza que eu defenderia...

[ ]s