Wednesday, July 27, 2005

Sudão: O elo perdido

Durante os anos Clinton, o Sudão era considerado um estado terrorista. Relatórios da CIA falavam sobre armas químicas e biológicas. Falavam também que o governo de Hassan al-Turabi teria contratado especialistas iraquianos para ajudar na construção dessas armas. Tudo isso culminou com o ataque de Al-Shifa, em 20 de Agosto de 1998.

Agora, as conexões do Sudão com a Alqaeda são indiscutíveis. Muitos acham que Hassan al-Turabi foi o mastermind por trás do surgimento do terrorismo atual, trabalhando com Bin Laden, Saddam e muitos outros. Ele até ganhou o carinhoso apelido de "O Papa do terrorismo" (ler aqui e aqui).

Tudo isso leva à seguinte pergunta: Porquê o governo Bush mudou de idéia sobre o Sudão?

Teria sido somente mais um erro que a CIA tenta encobrir? Quem sabe algo relacionado com a famosa viagem de Joe Wilson ao Níger? Pode ser.

Outra alternativa seria que o governo americano quer desviar a atenção do público de um problema mais do que complicado. Afinal, entre os massacres de Darfur e todo o backlash da crise das WMDs iraquianas, o governo Bush provavelmente quer ficar bem longe do Sudão.

Pelo menos por enquanto.

2 comments:

Marcelo said...

Paulo,

Tem uma questão bem objetiva também: Stress das tropas em terra.

É relativamente simples aumentar a produção de JDAMs ou retirar navios de estocagem, mas é bem complicado você pegar um civil, treinar como soldado e convence-lo de que ir para o Sudão é algo bom pra ele.

Em tempos de escassez de tropas, essa é uma variavel que deve ser levada em conta.

Andr? Kenji said...

É meio complicado falar entre Bill Clinton e a Al-Qaeda por quê muitos falam de uma ligação desta com o ELK, o Exército de Libertação de Kosovo, que ele levou ao poder com a intervenção na Sérvia. Mesmo porquê, a grande razão pela qual Clinton bombardeou o Afeganistão e o Sudão em 1998 era o depoimento por causa da Mônica Lewinsky.

O Sudão tem petróleo, o que leva alguns analistas a achar que isso poderia levar a uma abertura maior do país. Eu acho que a história prova que isso leva ao contrário. A Natiuonal Geographic fez um artigo sobre o país anos atrás falando disso:

http://magma.nationalgeographic.com/ngm/0302/feature2/

Não seria tão fácil uma intervenção armada no país. Há uma falta de tropas no Afeganistão e no Iraque, e bem, o Sudão, ao contrário do Afeganistão devastado por duas décadas de guerras e do Iraque, devastado por anos de embargo e sem tradição militar, os sudaneses seriam barra pesada, das piores. Talvez nem a Coréia do Norte fosse um adversário pior no caso de uma invasão externa.

Embora eu ache que Bush pouco se importe com a turma de Bin Laden.