Thursday, September 08, 2005

Independência

O "Nós na Rede", um grupo de blogs que escrevem posts sobre um certo assunto ao mesmo tempo, estreiou com o tema "Independência do Brasil".

Dos 14 blogs auto-entitulados "de esquerda" que participam da lista, 8 citaram norte-americanos, Estados Unidos ou EUA nos seus textos sobre a Independência do Brasil.

That must mean something.

***

A Leila disse num comentário recente (e já tinha ouvido de outros) que só tenho leitores "da panelinha" (olavetes e outros reacionários nas palavras dela).

Fiz uma lista do pessoal que vira e mexe passa por aqui que não são conservadores: Fernando, Marcus, Andre, Smart, Pedro, Edson, Roger, Solon e Alex. Posso ter esquecido alguém, mas acho que esses são os mais frequentes.

Considerando o número de visitas e comentários, acho que a diversidade por aqui é bem melhor que a média. Dei uma passada no blog da Leila, e sinceramente só vi pessoal de um lado conversando. Enfim.

***

Enquanto isso na Ucrânia, a lua de mel acabou. O Presidente Yushchenko despediu o primeiro ministro Tymoshenko e toda a sua equipe. Os dois lados acusam o outro de corrupção.

Como 99.9% das revoluções, as coisas pareciam bem mais bonitas (e fáceis) no papel.

36 comments:

Roger said...

Bem, a gente precisa refrescar a mente, não? "Conservador" acho que eu nunca serei mesmo, porém minhas idéias tem sofrido um movimento cada vez mais à "direita" nos últimos anos... Apesar de que não gosto de me fechar num rótulo, dependendo do tema, muitas posturas minhas poderiam ser chamadas de esquerda, outras de direita. Mas, o tempo dirá onde isso acaba.

Jorge Nobre said...

Você se esqueceu da própria Leila.

E eu não sou Olavete porque os olavetes pregam liberdade para todos os partidos incluindo os nazistas e os comunistas, e aí eu sou contra. É óbvio que o povo (brasileiro, pelo menos) não tem capacidade para evitar por vias democraticas um governo comunista ou nazista. Estes dois partidos devem ser proibidos (só o nazista é) e seus integrantes presos. Por formação de quadrilha.

Olavo de Carvalho e seus olavetes não concordam comigo nisso. Eles acham que se deve permitir que comunistas e nazistas tenham plenos direitos de cidadão. Pena.

Leila said...

Paulo,

Eu tinha resolvido aceitar a sugestão do David Butter e não voltar aqui para esse diálogo de surdos, essa guerrinha cri-cri, essa "Crossfirização" da blogoseira (lembra do John Stewart? "Stop, you're hurting America!"). Mas Paulo, de cada 3 posts seus, dois têm um link pra mim! Freud explica essa fixação. Ou então, você é um agente da esquerda in disguise, tentando chamar mais público para o Stuck in Sac.

Sim, eu vejo muito Fernando, Smart, Marcus por aqui - em geral para discordar dos seus posts. Você dificilmente dá o braço a torcer ou admite suas falhas de raciocínio nos posts, que eles tentam mostrar pra você, com muita competência aliás. Ou seja, a presença deles aqui não é de forma alguma um sinal de que você apresenta um ponto de vista equilibrado. Seu ponto de vista é via de regra conservador, é direita sim. Blogs mais equilibrados e de centro são os deles, não o seu.

Sobre a lembrança dos Estados Unidos... Não vejo qual o problema em se mencionar o país mais poderoso e influente no mundo, seja de forma crítica ou positiva. Que estereótipo da sua parte achar que para ser de esquerda é preciso odiar os Estados Unidos.

Obrigada pela divulgação do Nós na Rede, valoroso companheiro. Você quer um convite para entrar na blog-left?

Bjs e bom fim de semana.

Raimundo Arão said...

E estes que você citou, Paulo, como não-conservadores são pessoas de bom nível. Não conheço todos, mas acho que isto vale para todos os citados. Disse isso porque geralmente não-conservadores, pobressistas, são exatamente os mais arcaicos, que conservam o discursinho caquético de típicos dinossauros latino-americanos. O esquerdismo vulgar da Leila e do (outro) Fernando, se não servem para o conhecimento, são ótimos para entretenimento.

Paulo said...

Leila!

Quer dizer que de cada 3 posts eu te cito em 2? Depois de quase 2 anos fazendo isso aqui, acho que vc devia me pagar algum royalty or something! ;-)

E quer dizer que o David acha os comentarios daqui "diálogo de surdos, essa guerrinha cri-cri"? Novidade para mim.

Mas voltando ao assunto, vc nao entendeu bem o que eu chamei de variedade. Nao quero que ninguem venha aqui para me convencer de nada, assim como nao espero ser convencido de nada. Espero somente passar informacoes, e quem sabe receber (o que tem acontecido muito nos ultimos tempos). O que fazer com as mesmas eu deixo para cada um.

E eu nao disse que as referencias ao EUA foram ruins, pode reler. So disse que foram uma constante, e que isso deve significar algo. E deve mesmo.

Obrigado pelo convite, mas o blog ja ocupa todo meu tempo "livre". Nao participo de listas de lado nenhum atualmente.

Bjs e bom fim de semana pro ce tambem

Paulo said...

Arao,
Olha, quanto mais comentarios melhor. Eu quero mais eh saber o que se passa na cabeca das pessoas, por mais absurdo que seja na minha opiniao.

Outro dia eu vi uma mulher no programa do O'Reilly dizendo que o Bush era racista e falso. Racista porque demorou para mandar ajuda para NO, e falso porque mandou ajuda demais depois.

Eu pensei: Po, essa escreveria otimos comentarios no blog! :-)

[ ]s

Raimundo Arão said...

"Olha, quanto mais comentarios melhor. Eu quero mais eh saber o que se passa na cabeca das pessoas, por mais absurdo que seja na minha opiniao."
Ou seja, bater tambor para maluco dançar. hehe

De qualquer forma, você está certo: há malas que vêm pra bem. E o shuti_no_sac é uma bela diversão.

Leila said...

Paulo, eu procuro me aproximar e fazer amizade com as pessoas que freqüentam o meu blog. I know for a fact que várias delas são longe de estar na esquerda, e outras são muito mais esquerdistas que eu. O que você não vai encontrar freqüentando o Stuck são pessoas do nível do Arão, que gostam de chamar os outros de burro mas não param é de dar coices a todo lado. Enfim, cada um se associa com quem acha melhor. Fique com o Arão.

Anonymous said...

Nao costumo deixar comentarios aqui, e nao leio o Stuck in Sac, mas so queria deixar uma observacao: "Seu" Arao, o senhor parece estar obcecado em relacao a Leila. Por que sera?

Marcus Pessoa said...

Paulo: se você não esclarece em que contexto se deu as referências aos Estados Unidos -- a nação que mais tem influência na nossa, para o bem ou para o mal --, that must mean nothing.

Raimundo: se existem esquerdistas mantendo "discursinho caquético", o que mais vejo é direitistas mantendo um discursinho de ódio, achincalhe, falta de respeito e fustigação contra os que divergem deles.

A proposta de prisão "por formação de quadrilha" do Jorge Nobre, contra quem apenas expressa suas idéias, é um exemplo disso.

Em tempo: eu sou totalmente contra a proibição da suástica, e acho que os nazistas deveriam poder expressar suas idéias, se ficarem apenas nisso.

Conheço muitos comunistas que são gente extremamente honesta, flexível e cordata.

Marcus Pessoa said...

Também acho que vocês adoram colocar a Leila pra Cristo. E não vejo no blog dela ou nos comentários aqui nenhum xingamento ou desrespeito -- apenas uma defesa incisiva de suas idéias, e uma crítica áspera mas civilizada à direita.

Paulo said...

Leila,
Bom, cada um com seu objetivo. Eu nao estou aqui para fazer amizades. Se aparece um amigo, ou por coincidencia acabo ficando amigo de alguem que leu o que eu escrevi, tudo bem. Mas o objetivo eh somente troca de informacoes (hence the name FYI).

Portanto, eu nao me "associo" com que le ou faz comentarios. E tambem nao vou ficar mediando discussoes. O Arao pode ter dito algo que eu nao diria, mas vc tambem diz coisas que eu nao diria. Vcs sao adultos, entao se entendam.

Marcus,
A minha observacao foi so essa, que existe uma constante nos textos. Qual o problema de notar isso sem contexto? Muitas coisas sao feitas de forma subconsciente. No caso de um texto sobre independencia do Brasil, achei essa relacao interessante.

[ ]s

Roger said...

Prender comunistas por formação de quadrilha é engraçado, apesar de que uma "revolução" sempre, e por definição, significa derrubar a ordem constitucional vigente.

Mas, como a própria Constituição garante a liberdade de expressão nos limites da lei, isso significa que todo mundo pode dizer o que quiser, desde que suas palavras, per sí, não configurem crime comum.

Lembrando que crimes comuns (de conteúdo não meramente político), são aqueles tipificados na legislação penal: crimes contra a honra (calúnia, injúria, difamação), racismo, apologia a outros crimes comuns (formação de quadrilha, desacato a autoridades, etc).

No Brasil existe grande, enorme confusão quanto a isso. O MST, por exemplo, não é uma entidade meramente política, é uma quadrilha. Eles não se limitam a fazer uso de usa liberdade de expressão e buscar sua revolução pelas vias constitucionais e políticas normais.

Dentre os vários crimes comuns cometidos e pregados por eles temos: desacato a autoridades, invasão e destruição de propriedade pública e privada, apologia ao crime, formação de quadrilha, agressão, crimes contra a honra, etc, etc. Me causa indignação a tolerância com esse tipo de coisa.

Raimundo Arão said...

Vamos por partes:

Anonymus: "Arao, o senhor parece estar obcecado em relacao a Leila. Por que sera?"
É verdade, como sugeriste ou entendi, sou apaixonado pela Leila. Ela é a razão da minha vida, o bagaç... er, a metade da minha laranja.

Marcus Pessoa: "se existem esquerdistas mantendo "discursinho caquético", o que mais vejo é direitistas mantendo um discursinho de ódio, achincalhe, falta de respeito e fustigação contra os que divergem deles."
É verdade, eles existem, mas não é de longe "o que mais vejo", pelo menos na vida real. Vai chover bananas no dia que encontrar uma bandeira de judeus ortodoxos contra a retirada de Gaza na Cinelândia ou dos próprios olavetes mais raivosos pelo Mídia Sem Alça, ou uma passeata "cristã" em prol de Bush.

E Leila, mon amour: "Arão, que gostam de chamar os outros de burro mas não param é de dar coices a todo lado."
Sorry, mas não gosto de "chamar os outros de burro" - é só você.

+ Leila: "Enfim, cada um se associa com quem acha melhor. Fique com o Arão."
Fique tranqüila, sou todo seu.

Quem quiser ler: De minha parte, paro com os atritos com a Leila. Pelo menos agora. :) Em geral, não participo de briguinhas, mas devo admitir que às vezes eu prefiro me divertir em prejuízo do debate. Concedo, assim, a última palavra à dama, se ela assim o quiser.

Cisco said...

"A Primeira-Ministra Tymoshenko", Paulo. É uma moça.

Fernando said...

"não é de longe "o que mais vejo", pelo menos na vida real"

cada um escolhe o que quer ver, obviamente.

"mas não gosto de chamar os outros de burro" e "devo admitir que às vezes eu prefiro me divertir em prejuízo do debate"

santa incoerência (ou seria falsa inocência?), Batman. Às vezes demora, mas as máscaras caem. No caso, em poucas frases. Enfim, eu ia deixar pra lá também mas alguém tem que manter o espírito de Statler & Waldford vivo por aqui.

Raimundo Arão said...

ferNADA: ""mas não gosto de chamar os outros de burro" e "devo admitir que às vezes eu prefiro me divertir em prejuízo do debate"

santa incoerência (ou seria falsa inocência?), Batman."

Explique-me, por favor, a tal incoerência. Ou você acha que não existe diversão sem chamar outros de burro?

Carinha, vai comer um arroz om feijão. Tá muito fraquinho.

Fernando said...

não tem como, raimundão. os reaças brasileiros sofrem do mesmo complexo de pobrezinho que atribuem ao resto do país. e probrezinho é que precisa de arroz com feijão.

Raimundo Arão said...

Hã??? Parei, definitivamente.

Fernando said...

Ohhh, que peninha, Raimundão. a "diversão" aparentemente só tem graça quando a galhofa é feita em cima dos outros. Bom fds e aproveite pra dar um descanso ao seu complexo de muppet. Ele merece.

[]s

Raimundo Arão said...

Agora juro que é a última vez. A Leila (que já parei, da minha parte, com os atritos) por mais que chamasse ela de burra, ela consegue entender o que digo. As reações dela, em geral, condizem com o que eu disse. Você, Fernando, é um caso raro, você não consegue concatenar idéias e fatos muito bem, sem contar que não parece entender o que de fato se diz. Bem, não vou insistir nisso, mesmo porque não adiantaria.

Fernando said...

que retirada tão digna, raimundão! "não respondo, porque não entendi". nesse caso, recomendo um feijão "amigo" bem vitaminado (ou vc não entende isso tb?). até mais.

[]s

Fernando said...

"a Leila por mais que chamasse ela de burra" e "mas não gosto de chamar os outros de burro" e "Hã???"

ele não entente!!! palmas para o palhaço que ele merece criançada!

Anonymous said...

Senhor Arao: Nao sugeri que vc estivesse obcecado pela Leila em decorrencia de alguma fixacao romantica. Quanta simplicidade!
Apenas nao entendo tanto vitriol e sarcasmo numa caixinha de comentarios por alguem que vc nunca viu e provavelmente nunca vera.
Anger Management.....eh o que digo ("metade da laranja" nunca mesmo....o senhor esta mais eh para limao, e daqueles bem azedinhos).

Raimundo Arão said...

Quebro meu juramento para te mostrar, Fernando, de novo, que você não sabe concatenar idéias.

É claro que estou perdendo tempo, mas vai lá: Eu disse, no contexto inteiro para Leila: "Sorry, mas não gosto de "chamar os outros de burro" - é só você."

Você conseguiu juntar:
"a Leila por mais que chamasse ela de burra" e "mas não gosto de chamar os outros de burro" e "Hã???". E termina "Ele não entente!!! palmas para o palhaço que ele merece criançada!"

Você tem dificuldade com nexos causais e cognição, Fernando, e não estou feliz com isso, se quer saber.

Anonymous: tá, tá bom.

Ai meu saco. A culpa é minha. Desculpa, Paulo; Leila, no hard feelings; Fernando, trate-se; Anonymous, bem, eu não sei quem você é.

Cláudio Cordeiro said...

Bem notado, Raimundo..... caramba....... agora as máscaras cairam mesmo. Mas foi a sua máscara, ferNADA, mostrando bem o jumento q vc realmente é. Vai ser burro assim no quinto dos infernos.
Esclarece pra gente quanto vc ta levando da Leila pra ser o cão de guarda dela? Ou melhor não, não explica nada, senão vc vai acabar se atrapalhando com esse negócio de palavras, escrever e tal...... melhor continuar enfiando sorvete na testa.

Fernando said...

foi mal claudinho buchecha, existem obviamente outros bobos da corte que não gostam de ficar de fora. ainda bem que eloquência não é seu forte, senão teria ficado magoadinho com seus comments. snif, snif.

raimundão, faz que vai não vai, depois volta. que nem palhaço! pois é, eu não sou PC, não faço surgarcoat, não sou bonzinho. não é esse o mantra, crianças? o amor platônico com a leila está te amolecendo, raimundão. sei não, tô te estranhando...

[]s

Raimundo Arão said...

c.q.d

Leila said...

Sr. Arão, eu bem que me segurei para não voltar mais aqui para essa caixa, mas só FYI, a pessoa que o senhor chama de "burro" e de "nada" é simplesmente Ph.D. pela Johns Hopkins, para quem não sabe uma das melhores universidades do mundo; ele é uma das pessoas mais inteligentes, cultas, queridas (até pelo Paulo) e sensatas dessa blogosfera. Não tem máscara nenhuma, camaradas. Vocês é que não percebem que ele só reserva esse tratamento "especial" para pessoas como vocês, com mais dificuldade de entendimento e com predileção por achincalhar pessoas injustamente em caixas de comentários.

O Fernando é TUDO! "Nada" são vocês.

Agora para responder à insinuação cri-cri do Paulo de que eu criei meu blog com o intuito único de fazer amizades. Eu fiz o meu blog porque gosto de escrever e discutir assuntos que importam para mim. As amizades são um produto também da troca de informações. Como muitas pessoas ao ler meus textos ficam curiosas em saber mais sobre mim e me conhecer melhor, eu acabo fazendo muitos amigos - e vice-versa comigo em relação aos meus leitores. Gostar de (e saber como) fazer amigos não é defeito, é virtude, e ainda tem a vantagem mercadológica de trazer mais gente para o blog. Eu tenho muita sorte de 99.9% dos meus leitores serem pessoas divertidas, generosas e sem o tipo de preconceito machista e racista que volta e meia baixa aqui de vez em quando.

smart shade of blue said...

That must mean o quê, exatamente ?

No meu caso, o post se dedicou justamente a questionar a idéia de "independência". Até no que diz respeito à independência dos EUA.

Se você, tão zeloso sobre o que as pessoas realmente querem dizer quando dizem alguma coisa, se dispuser a clarificar qual o "something" que você quis indicar, aí nós poderemos chegar a uma conclusão se meu post diz respeito à sua interpretação sobre ele ou não.

abçs

Paulo said...

Leila,
Gosto mesmo do Fernando, e tambem do Arao. Eles sao adultos que se entendam.

Nao fui "cricri". O problema eh que vc lida mal com qualquer tipo de critica ou discordancia. Vc disse que gosta de fazer amizades no blog, e eu disse que simplesmente nao me importo. Eh uma honesta diferenca de opiniao, objetivos. Nao disse que o meu ou seu eh melhor.

Smart,
Mas como vcs lidam mal com incerteza hein? Se eu soubesse what it means, teria dito. Qual o problema de observar um fato que simplesmente nao se sabe what it means?

[ ]s

Leila said...

Paulo,

Não é uma questão de "lidar mal com críticas", e sim respondê-las. Suas críticas, feitas de uma maneira passive-agressive, são tão improcedentes e caluniosas que muitas vezes merecem respostas duras.

E que eu saiba, enfiar a cabeça na areia como uma avestruz, tentando ignorar todas as evidências do fracasso do governo Bush no episódio do Katrina (como você faz, post após post), é uma maneira patética de lidar com críticas.

Paulo said...

Leila Leila.

Vc nao tem jeito, ainda nao percebeu que eu nao sou de briga.

Esse seu ultimo comentario eh um otimo exemplo de qual eh o problema em questao. Eu disse com todas as letras que nao estava dizendo que vc esta errada, e vc como resposta diz que eu sou patetico.

Esse tipo de beligerancia gratuita so vai te prejudicar na vida. Eu nao vou te xingar de volta, muito menos entrar em bate boca. Mas muitos vao, e vc vai perder um tempo danado com essas bobagens.

[ ]s

Leila said...

Paulo, uma das coisas que você tem dificuldade de admitir é que é você é quem não pára de me chamar para a briga. Eu jamais citei o seu nome em posts no meu blog. Mas volta e meia, você está me linkando, criticando os meus posts e me chamando de loony, raivosa e outras bobagens. Suas respostas a mim são invariavelmente ofensivas e debochadas, embora mal disfarçadas com uma falsa polidez. Se há "beligerância" da minha parte, é porque a guerra foi declarada pelo senhor. Tenha a coragem e a honestidade de admitir isso, e nos poupe de sua condescendência, de suas lições de vida, porque são de uma ingenuidade total.

Paulo said...

Leila!
Oh jesus. Guerra? Deboche? Eu acho que vc precisa de um cha de camomila.

Eu duvido que tenha linkado seu blog mais que 3, 4 vezes durante os ultimos 2 anos. Veja o que eu escrevi nessa ultima vez: que "só vi pessoal de um lado conversando". Que diabo de ofensa eh essa?

Te chamei de loony em alguns comentarios quando achei que vc foi loony. E raivosa ('beligerant') vc realmente eh, principalmente nesse tipo de situacao. Esses ultimos 3 comentarios sao um bom exemplo. Se vc quiser comprovar, peca para alguem de fora para ler os meus comentarios e te dizer se foi ofensivo ou nao. Nao foi nem de longe.

Relaxa, ja disse que nao tenho nada contra vc (eu nem te conheco oras!) ou o que seja. Vc nao devia se ofender tao facil.

[ ]s

smart shade of blue said...

Paulo,

Eu não tenho dificuldade nenhuma em lidar com as incertezas. Só tive a impressão, pelo tom do post, que você sabia, ou achava que sabia, o que seria o tal do "something".

abçs