Friday, September 16, 2005

Preemptive strike

Como já era esperado, o governo Bush prometeu a total reconstrução das áreas afetadas pelo Katrina.

Na melhor tradição populista, ele usou a oportunidade para prometer não somente a recuperação da estrutura destruída, mas também a "solução dos problemas socias" da região.

O custo total pode chegar a 200 bilhões de dólares, e obviamente o dinheiro tem que sair de algum lugar: do déficit.

O discurso de ontem poderia ter saído da boca de qualquer democrata (LBJ 2 - A missão). Os estrategístas republicanos explicam que se Bush não fizesse isso, os republicanos transformariam esse assunto na maior arma democrata para proxima eleição. Além disso, os democratas achariam maneiras de gastar ainda mais dinheiro do que será gasto agora.

E mais uma vez lá se vai o small government pela janela. E o mais irritante dessa história toda é que, no fim das contas, os Republicanos tem razão.

12 comments:

Edson said...

Pois é. Eu li um artigo que diz que "a quarter-century of libertarianism is washed away in New Orleans". O link aqui: http://www.laweekly.com/ink/printme.php?eid=67667

Eu, de forma geral, concordo com as oponiões do artigo. Você provavelmente vai discordar, e muito. Mas provavelmente não vou estar aqui pra continuar qualquer debate nos próximos dias, infelizmente - vou ficar sem internet em casa por um bom tempo.

Abraços,

Raimundo Arão said...

É como aquela piada do P.J.O'Rourke:
"The Democrats are the party that says government will make you smarter, taller, richer, and remove the crabgrass on your lawn. The Republicans are the party that says government doesn't work and then they get elected and prove it." E ele é (ou era) Republicano, ao menos Libertário-Republicano. Pessoalmente, se não me atino com Republicanos, muiiito menos com Democratas. Apesar de reconhecer algumas coisa boas destes últimos. Mas, falemos da prática, acho que os Republicanos tem que melhorar, e muito. Por essas e outras eu prefiro, embora não seja politicamente realista nem faça parte do mainstream político, o Constitutional Party. FYI, se você ler o último (ou penúltimo) editorial da Economist, ele fala exatamente disso, da insatisfação aguda com mainstream político (Dems e Reps) nos EUA.

Anonymous said...

The Game to Auction Bentley for Charity
NEW YORK - The Game will let a charity pimp his ride for the victims of Hurricane Katrina.
See if you can visit my site also maybe you will find some valuable information Free home based business opportunity

Marcus Pessoa said...

Na medida em que foi Bill Clinton que conseguiu zerar o déficit, façanha que foi para o ralo após dois anos de governo Bush, eu diria que essa história de que "democratas gastam mais" deve ser reavaliada.

Só para comparação, aqui no Brasil a centro-esquerda tem sido muito menos perdulária que a direita.

Raimundo Arão said...

Sim, Marcus, certamente os Republicanos gastam muito, mas o déficit se deve também ao corte de impostos. Os Dems cobram impostos a valer perto dos Reps, então é mais fácil equilibrar as contas. É só uma coisa que você deixou passar. De qualquer forma, não tenho os números -- o Paulo poderia nos informar, que tal? -- teria que ver os orçamentos e pronto. Mas que o discurso clássico republicano anda diferente da prática, anda, sim.

Sobre a direita brasileira... deixa pra lá.

Paulo said...

Bom, a regra de qualquer governo, Republicano ou Democrata, eh de aumentar o budget. A excecao foi o Reagan, que deu uma diminuida principalmnente em programas 'sociais' e aumentou o militar, revertendo uma tendencia de muitos anos.
O Bush esta mais para Nixon. Aumenta tudo, mas diz que os democratas aumentariam mais. E baseado em LBJ e outros, eh verdade.
Mas o Bush esta exagerando. Dentro dos Republicanos ja comecam a aparecer muitos descontentes, principalmente com o medicare e com aumentos nao-militares.

[ ]s

Raimundo Arão said...

Sem contar, lembrei agora, há coisas mais importantes do que gastos ou recebimento de impostos no tocante a déficits: emissão de títulos e taxa básica. Neste quesito, sim, eu tenho a impressão que os dois partidos se parecem -- pelo menos no resultado final, que é a dívida externa crescente.

Paulo, tenho dúvidas sobre o budget na era Reagan, acho que aumentou bastante.

Paulo said...

Arao,
Estou ainda procurando os numeros, so achei os budgets ate 96. Pelo que eu lembro o non-discretionary diminuiu, mas talvez incluindo o military tenha aumentado.

[ ]s

Raimundo Arão said...

Opa, opa passou batida algo que o Marcus disse:"Na medida em que foi Bill Clinton que conseguiu zerar o déficit". Certamente mais um mito. Acho que o Clinton não zerou deficit nenhum, não. O que ele fez foi equilibrar as contas de modo que Gastos=Impostos por dois anos, e só.

Marcus Pessoa said...

Não entendi o último comment, Raimundo. "Gastos=impostos" não é zerar déficit?

E o fato de ter durado dois anos, não significa apenas que foram os dois últimos anos do governo Clinton (após o qual veio a administração perdulária de George W. Bush)?

Não sou economista, mas li alguns artigos onde se previa que o déficit zero poderia ser mantido por quinze anos.

Raimundo Arão said...

Não, Marcus. Até onde eu saiba os EUA são os maiores devedores do mundo há muito tempo. Não é apenas gastando o mesmo que se recebe em tributos (e por pífios dois anos em oito) que você pagará a maior dívida externa do mundo. Só pelos juros (acho que são de aproximadamente 3% agora) ela cresce uma dívida externa brasileira por ano.

Raimundo Arão said...

Marcus, agora eu percebi a confusão que eu fiz, mas meu comentário acima ainda é válido para o entedimento da questão. Déficit de orçamento não é dívida externa, confundi os termos, foi mal. O que quis dizer, no final das contas, é que tem coisas até maiores em jogo na política econômica dos governos que estavam sendo ignoradas. Às vezes damos um peso desproporcional a certas notícas e informações, que não mudam muito o quadro total.

É isso.